Sexo com animais é responsável por dobrar casos de câncer de pênis

Pode parecer estranho e causar repulsa em que lê, mas de acordo com um estudo liderado pelo urologista do Hospital A.C.Camargo, Stênio de Cássio Zequi com de 492 homens que vivem em zonas rurais brasileira (171 com câncer de pênis e 374 sadios) quase 4 entre 10 pessoas que vivem nestas regiões tiveram uma ou mais relações com animais e que essa prática é responsável por dobrar risco para o desenvolvimento  do câncer de pênis. A pesquisa será publicada na próxima edição do Journal of Sexual Medicine, a revista científica mais importante de medicina sexual do mundo.


Trata-se de um estudo caso controle, reunindo 118 pacientes com câncer de pênis e 374 homens sadios entre 18 e 80 anos, todos de zona rural em todo o país. A pesquisa mostra que 31,6% dos homens sadios e  44.9% daqueles com câncer de pênis já tiveram uma ou mais relações sexuais com animais a partir da adolescência. O estudo reuniu pesquisadores de 16 centros que tratam câncer em 12 cidades brasileiras: Unicamp, Santa Casa de São Paulo, Unifesp, Hospital de Câncer de Barretos, Hospital do Câncer do Piauí, Hospital do Câncer do Maranhão, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Hospital Napoleão Laureano da Paraíba, Fundação Hospitalar do Acre, Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade Federal do Paraná, Hospital da  Aeronáutica de São Paulo e também unidades de Carapicuíba e Itapevi.

Os pesquisadores isolaram fatores que poderiam elevar o risco de câncer e levá-los a uma conclusão errada. Foram avaliados, além de sexo com animais, critérios como raça, idade, idade da primeira relação sexual, história de doença sexualmente transmissível, lesões penianas pré-malignas, fimose e circuncisão, idade da circuncisão, número de parceiros sexuais, tabagismo e história de sexo com prostitutas.

Como fator isolado, o sexo com animais – segundo a amostra – dobra o risco de desenvolver câncer de pênis. Uma das prováveis explicações para tal associação, segundo o urologista Stênio Zequi, é o fato de que a mucosa genital do animal é bastante queratinizada, mais dura que a humana. “Ela pode provocar microtraumas na mucosa do homem e desencadear o câncer. Outra hipótese é a existência de elementos tóxicos na secreção animal ou de micro-organismos capazes de infectar o ser humano”, afirma. O especialista ressalta, no entanto, que estas possíveis causas são especulações e ainda não é possível afirmar se há um ou mais vírus ou microrganismos específicos envolvidos no processo, nem se a prática pode causar danos às mulheres com quem esses homens se relacionam.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Zequi e os demais pesquisadores identificaram, dentre outras coisas, que homens que praticam sexo com animais têm mais DSTs. Ainda segundo o trabalho, o tempo de duração e o número de animais envolvidos mostra que a prática é mais comum no Nordeste do país e que lá predominam equinos. Já no Sudeste as opções são por caprinos e galináceos.

A periodicidade da prática de sexo com animais variou. Um único episódio na vida foi apontado por 14% dos entrevistados. Duas vezes ao mês (17%), uma vez por mês (15,2%), uma vez por semana (10,5%), três vezes por semana (10%), duas vezes por semana (9,4), diariamente (4,1%), dia sim/dia não (5,3%).

A duração do comportamento de sexo com animais durou menos de um ano para 34 indivíduos (19,9%); um a 26 anos (80,1%). A duração mais comum foi de 1 a 5 anos (reportada por 59% dos entrevistados). Já sexo com animais junto com um grupo de homens foi reportado por 29,8% dos entrevistados. Todas as entrevistas foram realizadas pessoalmente.

Falta de informação

Embora raro (2,9 a 6,8 casos por 100 mil habitantes), o câncer de pênis costuma provocar mutilações. Levantamento recente da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) aponta que são amputados, todos os anos, mais de mil pênis no país. “Nos casos avançados, a amputação parcial ou total do pênis é quase inevitável. Quando células cancerosas atingem a virilha e o abdome, são necessárias  cirurgias de ressecção de tecido linfático,  com elevada morbidade”, ressalta Stênio Zequi.

As principais causas de câncer de pênis já conhecidas até então são falta de higiene e presença de fimose, pois estão associadas com acúmulo de secreções na glande ou em outras regiões do pênis, causando assim uma inflamação crônica que pode desencadear o tumor.

A doença é mais incidente nas regiões mais pobres e, consequentemente, com menor acesso às informações sobre prevenção de câncer. Há também barreiras importantes, como o tabu do homem ir ao médico. “Ele leva seis meses ou mais para ter seu diagnóstico, pois em geral o acesso a saúde nessas regiões é muito limitado, levando a atraso na realização de simples biopsias, somados ao fato de muitos pacientes  terem vergonha de falar sobre o assunto, até mesmo com sua esposa. “Se estamos observando um comportamento sexual que causa danos à saúde das pessoas, as autoridades e os agentes de saúde precisam orientar a população”, diz Zequi. “É preciso dizer a esse público: lave o pênis, não tenha fimose, não tenha relações sexuais com animais, use camisinha, etc”, acrescenta.

Sexo com animais, no entanto, não é um hábito exclusivo dos mais pobres, observa o especialista. “A internet dissemina esta prática também nos países desenvolvidos. Seja por curiosidade, seja por prazer, seja por doença psiquiátrica, isso ocorre. Quebrar o tabu é a melhor forma de reduzir seus danos. Acreditamos nisso”.