Covid 19: Espírito Santo tem 96% de ocupação de leitos de UTI, aponta secretário Nésio

O secretário de Estado da Saúde,  Nésio Fernandes, concede entrevista coletiva à imprensa para falar sobre o atual panorama da pandemia de coronavírus no Espírito Santo. Com a taxa de ocupação de leitos ultrapassando os 90%, foi preciso estender as medidas de fechamento por mais quatro dias, até o domingo de Páscoa, 4 de abril. Atualmente, o Estado registra 7.161 óbitos e 368.612 casos. 

Situação atual crítica

Alcançamos no dia de hoje 96% de ocupação hospitalar no Estado dos leitos exclusivos para covid-19. É momento crítico. Já são mais de 1400 leitos de UTI e de enfermaria ocupados por pacientes com doenças respiratórias. O Samu, pela manhã, fez mais de 41 atendimentos. Temos uma quantidade importante de pacientes atendidos pelo serviço Vaga Zero, do Serviço de Urgência e Emergência, para garantir um tempo de resposta mais adequado na grande maioria das situações, onde o povo capixaba necessita de um leito neste momento crítico. 

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Aceleração de ocupação de leitos

No entanto, a quantidade de pacientes que tem crescido, aumentado na rede privada, na rede filantrópica e na rede pública tem se mantido ainda em fase de franca aceleração. Tivemos reunião ontem com os hospitais da rede privada para abordar o tema da avaliação do cenário, para abordar o tema da fila única para a assistência à saúde no Espírito Santo, a questão relacionada às medidas do risco extremo adotada a partir deste próximo domingo.  

Situação da rede privada

O relato universal de todos os hospitais privados do Espírito Santo é o esgotamento da capacidade essencial. Todos estão operando no limite! A situação de 96% da rede pública é uma situação acompanhada por toda a rede assistencial do Estado. 

Garantia de reserva de vagas em hospitais da rede filantrópica

Tivemos reunião com a rede filantrópica, onde reforçamos que o Estado do Espírito Santo fará, por meio da regulação, o exercício da autoridade sanitária a fim de garantir a internação dos pacientes nos hospitais disponibilizados à saúde pública. Nós deixamos claro que o Samu está autorizado a proceder com a Vaga Zero para poder garantir o acesso dos pacientes aos hospitais e que nós necessitamos, neste momento, dentro da rede hospitalar, alcançar o máximo de desempenho assistencial. 

Aos trabalhadores da Saúde

No entanto eu quero fazer um reconhecimento aos trabalhadores da Saúde, que estão na linha de frente, que neste momento já passaram mais de um ano de enfrentamento à pandemia. Vocês precisam dedicar o seu melhor, o melhor de sua capacidade assistencial, no cuidado, no manejo de pacientes muito críticos. Neste momento, esses trabalhadores se desdobram para poder garantir que o Estado não colapse. Tanto na rede privada, quanto na rede pública. Nós não queremos que nenhum capixaba se perca pela pandemia sem o direito, o acesso e o cuidado aos serviços de saúde privado ou público.