Vereadores de Cachoeiro desistem de salário de R$ 10 mil

Após pressão popular, subsídio ficou congelado em R$ 6 mil

Depois da repercussão negativa, não haverá aumento de salário para os vereadores de Cachoeiro de Itapemirim, a partir de 2013. Na manhã desta segunda-feira (26), eles se reuniram no plenário da Câmara e desistiram de elevar o valor para R$ 10 mil. Além do projeto de lei ter sido vetado, ficou decidido o congelamento dos salários em R$ 6 mil até 2016.

“Nós escutamos o clamor da população, ficamos sensibilizados e decidimos não promulgar o aumento. Não podemos deixar uma mancha no Legislativo, apesar de o aumento estar na legalidade”, afirmou o presidente Júlio Ferrari (PV), referindo-se à indignação dos moradores de Cachoeiro, que chegaram a realizar um protesto durante a última sessão, questionando o fato de a votação do projeto ter sido feita sem maior debate.

“A Casa tomou uma medida sensata. Se o aumento é cabível ou não, nem tivemos tempo para avaliar a questão da necessidade”, disse o vereador Marcos Mansur (PSDB).

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Leia também
Vereadores vão discutir diminuição no aumento dos próprios salários

Assim como o projeto inicial do aumento foi aprovado por todos os votantes presentes, o veto também foi unânime. Dos 12 vereadores – excluindo o presidente Júlio Ferrari (PV), que não vota -, 10 optaram pela anulação do projeto e dois não compareceram: os vereadores David Loss (PDT) e Fábio Mendes Glória (PMDB).

Autor da emenda que elevaria os salários para R$ 10 mil, o vereador Fabinho justificou a ausência por conta do trabalho como investigador da Polícia Civil.

“Fiquei sabendo da reunião, mas estava de plantão na delegacia. Mas, se a maioria quis assim, estou junto. O que ficou decidido, para mim, está tranquilo”, limitou-se a dizer por telefone.

Já David Loss informou que estava em Vitória passando o Natal com a família e não chegou a tempo para a reunião. Ele se diz a favor da decisão da maioria, mas acha que, em 2013, poderia haver aumento.

“Se a maioria decidiu, estou de acordo, mas poderiam aumentar os subsídios dos que virão em 2013. Uns 40%, por exemplo. Para mim, essa decisão é indiferente, pois remuneração não é problema, não sou vereador por causa do dinheiro. Se a decisão é boa para o povo, é boa para mim também”, disse, e finalizou: “Tem que baixar os salários de outros políticos, como deputados e senadores, além dos promotores e juízes, que é muito alto”.