Vereadores contratam espírita para verificar se fraudes foram denunciadas

O esquema criminoso denunciado pelo Ministério Público no município de Aracruz vai muito além das práticas mais comuns envolvendo a apropriação ilícita de recursos públicos. Depoimentos de testemunhas revelam que a quadrilha de vereadores e de servidores públicos contrataram “uma pessoa espírita para avaliar as energias do depoente e verificar se ele havia cooperado com as autoridades e delatado os esquemas que circundam a Câmara Municipal”, salienta um trecho da denúncia.

O espírita teria sido contratado pelos vereadores Orvanir Bosquetti (PMDB), Ozair Coutinho Gonçalves Auer (PMDB) e Gil Furieri (PMDB); e também pelo marido da vereadora Ozair, o ex-vereador, Ismael Daros Auer para ‘avaliar’ a testemunha, logo após ela ter saído da cadeia. De acordo com depoimentos ao Ministério Público, eles “atuam em bloco e são capazes de matar quem atravessar o caminho deles”. Os quatro estão presos.

As ameaças também se tornaram uma peça de intimidação adotada pela quadrilha. Uma outra testemunha contou que ao chegar no sítio de Gil Furieri, no distrito de Guaraná, foi obrigada a levantar a perna da calça para ser revistada, por imposição dos que estavam presentes. Além dos quatro, o vereador Jocimar Rodrigues Borges (PSB) participava do encontro. Ele também está preso.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Na reunião a testemunha foi advertida sobre os perigos de delatar uma prática de corrupção na Câmara Municipal, chegando a ser ameaçado de morte caso alguém fosse entregue por ele à polícia. Ela contou que por duas vezes foi seguida por um carro suspeito, e motocicletas rondaram a casa onde mora. A ameaça de morte aconteceu no gabinete de Gil Furieri, quando também se fazia presente o vereador Orvanir Bosquetti. Os dois teriam dito a ele que se algum dia fossem delatados, o matariam.

Gil Furieri, segundo aponta a denúncia, é um dos mentores do esquema criminoso que incluía a prática de rachid (apropriação de parte do salário do funcionário), contratação de funcionário fantasma e fraude em licitação na Câmara. O parlamentar foi detido na última quinta-feira (15). Foram presos ainda no mesmo dia a filha dele Cíntia Teixeira Furieri, o sócio dela, Márcio Devens Barcelos, e a presidente da Comissão de Licitação da Câmara Municipal, Renata Aquilino Tavares.


De acordo com as investigações, eles estariam envolvidos em um suposto esquema de fraude em licitação que beneficiaria a empresa Speed- TI, de propriedade de Cíntia e do empresário Márcio Devens Barcelos.

Os vereadores Orvanir Bosquetti, Gil Furieri e Jocimar Rodrigues Borges (PSB) e o, então, secretário de Infraestrutura, Ismael da Ros Auer, exonerado na manhã desta terça-feira (20), estão presos no Centro de Detenção Provisória de Aracruz. Já a vereadora Ozair Coutinho Gonçalves Auer foi levada para o CDP feminino de Colatina. Gil Furieri está com prisão preventiva decretada. Para os demais a Justiça decretou prisão temporária de 05 dias.