Um mistério por trás da destruição em São Domingos do Norte

Se os órgãos de meteorologia têm dificuldades para explicar o fenômeno que devastou lavouras e parte da cidade de São Domingos do Norte no último final de semana, um outro fato que antecedeu ao vendaval é ainda mais intrigante: uma mulher comunicou, com detalhes e antecipadamente, o estrago que o temporal e o granizo provocariam em uma serraria de granito da cidade, e que os cerca de 700 trabalhadores da empresa corriam perigo. Com prejuízo de R$ 25 milhões, o dono da empresa, José Antônio Guidoni, diz ter sido avisado do fenômeno dois dias antes da propriedade ser destruída.

– Na quinta-feira, por volta de 15h50, recebemos um telefonema da Regina, desesperada, querendo falar com a gente. Assim que aceitamos, ela imediatamente veio para cá, furou o bloqueio da portaria, entrou direto, desesperada, e começou a falar: ‘Eu sou mensageira de Deus e vim trazer uma mensagem para você. Vai desabar tudo. Tudo aqui vai cair por terra. Não tem nada que você pode fazer que vá mudar isso. Não adianta o dinheiro, nada vai fazer com que mude isso. Tudo vai acontecer por uma razão que você não tem domínio.

Confira galeria da destruição no final da matéria

Guidoni confessa não ter acreditado na afirmação da mulher, do contrário, teria ido ao banco assinar um seguro para empresa. A Mineração Guidoni tem 350 mil metros quadrados, cerca de 750 funcionários e exporta 93% da produção de blocos e chapas de granito para mais de 40 países. A despesa diária para o funcionamento da serraria passa dos R$ 170 mil.

O fenômeno

Na madrugada de sábado (19), dois dias depois do encontro entre a mulher e o empresário, a propriedade foi destruída. Um caminhão foi parar sobre uma pedra de granito a quatro metros do chão. Guindastes de cerca de 80 toneladas foram deslocados, as estruturas de ferro de um galpão foram retorcidas, caixas d’água de 20 mil litros foram arremessadas a 150 metros e o setor de produção de energia da serraria ficou totalmente danificado.

Assista a depoimento no vídeo ao lado do trabalhador que estava na empresa no momento do temporal

A pessoa que antecipou o acontecimento ao empresário é a vereadora de São Gabriel da Palha, Regina Cerri Zottele (PT). Católica praticante e devota de Santa Rita de Cássia, ela diz que frequentemente tem previsões que, segundo ela, vêm por meio de sonhos. Regina vive com o marido e três filhos no distrito de São Roque da Terra Roxa, localidade de General Rondon, a cerca de 220 km de Vitória. A residência – com piscina e próxima a um lago repleto de peixes – tem diversos objetos que remetem à fé católica.

E o empresário garante que Regina teria feito o seguinte relato: “As partes mais pesadas daqui vão se mover’. E moveu tudo mesmo! As pontes de aço de mais de 80 toneladas se moveram. Isso que a gente temeu. As caixas d’água de mais 20 mil litros se moveram pelos ares por mais de 150 metros. Uma coisa anormal”, contou.

Foi o relações públicas da empresa, José Valdecir Santana, 48 anos, quem recebeu a ligação solicitando o encontro. Como os Guidoni exercem grande influência política e econômica na região, pedidos de ajuda fianceira são solicitados com frequência por populares. Valdecir desconfiou que fosse mais um desses casos, mas diante do relato e da insistência da mulher, aceitou recebê-la.

– Quando ela me ligou disse que precisava falar com urgência com José Antônio Guidoni, que era um caso muito sério. Num primeiro momento não quis me abrir o que era. Ela insistiu, queria falar com ele de qualquer jeito.

Valdecir também não acreditou na história e diz não temer novas previsões, apesar dela ter acertado sobre o que aconteceu.

Filhos

Ao receber a notícia da destruição da fábrica, o dono da marmoraria disse ter se desesperado. A primeira preocupação foi com a integridade dos filhos. Eles são funcionários da empresa e a previsão incluía a morte dos parentes. “Quando eu vi tudo… a pessoa desenhou tudo isso na minha cabeça, e eu não acreditei. Depois que eu vi o acontecimento, fiquei louco. Meu Deus, meu Deus…procurava meu pai, minha mãe, meus filhos… O que aconteceu só ela (a pessoa que teria feito a previsão) pode te explicar”, disse Guidoni.

A reportagem foi a São Roque buscar entender como e por que Regina conseguiu prever a devastação na zona rural de São Domingos do Norte. Muito simpática e ao mesmo tempo muito agitada, Regina, por vezes, não consegue ser coerente nas suas explicações. Bastante relutante em detalhar as previsões, ela disse que os sonhos iniciaram depois de uma “mensagem” que recebeu de Santa Rita de Cássia.

A devoção pela Santa começou em 1997, quando Regina passava por problemas familiares. À época recebeu da sogra a novena de Santa Rita, mas disse que não tinha tempo para rezar por causa dos afazeres diários. No entanto, depois que o marido foi internado no hospital da cidade, ela decidiu começar a novena. Logo após a alta hospitalar do companheiro, a vereadora diz ter “recebido uma mensagem da Santa”.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Assim que abrimos a casa eu senti um cheiro bom, que não tinha sentido antes. Em seguida, levantei a toalha da mesa da cozinha e vi algo diferente no móvel. Era a imagem de uma vela acesa. Não era queimadura de panela quente. Aí, eu e minha família percebemos que através dos méritos de Rita, Deus nos concedeu a graça da cura. É como se Ele dissesse: enquanto essa luz estiver sobre a mesa, o poder de Deus está agindo sobre você, disse Regina Cerri.

Foi depois dessa mensagem que começaram os sonhos, que vêm acompanhados de dores e febre. Entre eles, a previsão de um câncer no pai e na irmã. Segundo Regina, a irmã procurou tratamento médico e deve ser operada em breve.

Asssita trechos da entrevista de Regina Cerri no vídeo acima

Na última terça-feira (15), antes do temporal, ela foi procurada pela sobrinha, namorada de Rafael Dalmasio Guidoni, filho do empresário. O motivo da procura era uma crise no relacionamento dos dois. Regina diz que quando falou com o rapaz, ao telefone, sentiu “algo diferente”. E prometeu que iria fazer orações pelo casal.

O sonho

Em casa, a vereadora colocou o nome dos membros da família Guidoni debaixo da imagem de Santa Rita de Cássia, que tem aproximadamente um metro de altura e ocupa um lugar de destaque em uma bancada que divide dois ambientes. No mesmo dia, Regina conta que sonhou que a empresa de mármore seria destruída. Preocupada, resolveu contar ao empresário.

– Isso iria acontecer durante o dia e morreriam várias pessoas. Eu pedi ao meu Pai que não acontecesse durante o dia, senão o estrago seria maior. Vários trabalhadores iriam morrer inocentes. Eu pedi a Deus pelas vidas deles. Eu fiquei chocada com a situação. No sábado eu fui ao local após a tragédia, e orei. A vida de todo mundo foi guardada, não pela Regina, mas por Jesus Cristo.

Conhecida na cidade
A fama da vereadora Regina entre populares na pequena localidade de São Roque é de uma mulher com grande espiritualidade. Na Câmara, enquanto outros vereadores recebem populares que os procuram com os clássicos pedidos de bens materiais, Regina diariamente atende várias pessoas que buscam orientações espirituais.

É o que garante uma funcionária da Câmara que não será identificada. “Ela conversa com quem a procura pessoalmente. Ela benze a pessoa aqui na Câmara, mas prefere fazer isso na casa dela ou em um local mais tranquilo”, revelou.

A vereadora afirma que tem muito a fazer pelo próximo e garante não tentar a reeleição em 2012 por falta de tempo para cuidar da carreira política e da vida espiritual. “Eu me considero uma mensageira de Deus”.

foto: Vinícius Valfré|gazetaonline
Regina Cerri é vereadora de São Gabriel da Palha e previu destruição na empresa dos Guidoni
Regina Cerri é vereadora de São Gabriel da Palha e previu destruição na empresa dos Guidoni
Mensageira?

Nas ruas dos municípios de São Gabriel da Palha e São Domingos do Norte, a previsão da vereadora teve repercussão imediata entre os moradores. Há os que acreditam e os que se mostram céticos. Desconfiada, a vendedora Neidiane Fernandes Lages, de 23 anos frisa que muita gente ficou sabendo da história. “O boato que fiquei sabendo é que uma mulher ligou, ou foi na empresa, e disse que todo o desastre iria acontecer. Ela teria avisado ainda que o pai ou filho iriam ficar feridos. Não sei se isso é verdade”, duvida.

O comerciante Ednaldo Mozer, de 40 anos, acredita nas mensagens de Regina. “Nós não estamos acostumados com essa situação, mas vindo dela eu acredito que seja verdade. Ela é uma pessoa idônea e correta. Acredito que ela teve sim esse sonho”, frisa.

Amigo de Regina há muitos anos, o empresário Jocimar José Lodi, de 48 anos, confia na capacidade da vereadora de prever coisas. Ele diz que quando a história da previsão chegou aos ouvidos dele, logo associou o fato à Regina Cerri.

“Além dela ter esse dom, ela se preocupa com as pessoas. Sei que ela trabalhou durante um ou dois dias para tirar esse povo de lá. Sabemos que a empresa tem 24 horas de trabalho ininterrupto. Ela queria evitar mortes”, ressaltou Lodi.

Já a professora Andressa Sartori diz não acreditar na capacidade de Regina prever as coisas. “Eu não acredito, não. Acredito em Deus e na fé. Esse caso como ela previu, não acredito”, disse.

Estudo

Regina Cerri já esteve no Centro Latino Americano de Parapsicologia (Clap), em São Paulo para tentar entender a capacidade de prever fatos. O psicólogo e coordenador do Centro, Sílvio Loredo, disse à reportagem ela tem a habilidade em manifestar alguns fenômenos.

Para o fundador do Clap, padre Oscar Quevedo, pessoas com algum tipo de distúrbio de consciência podem prever acontecimentos. Essa percepção extra-sensorial, no entanto, seria originada no inconsciente, e nunca por “mensagens de Deus”. Além disso, Quevedo é taxativo: Regina errou em comunicar o sonho ao empresário.

– Não deve comunicar nunca. Não deve guiar-se por isso nunca. Deve adquirir cada vez mais a autodeterminação consciente e evitar as manifestações do inconsciente porque pode acabar mal. Se ela fez várias vezes o curso do Clap, ela não aprendeu muito. Mas, por algum desequilíbrio, acredita ter poderes especiais e não se deixa guiar pela ciência.

Meteorologia

O Incaper ainda não tem parecer definido sobre o fenômeno que destruiu parte do município de São Domingos do Norte. Para tentar identificar algum fenômeno no entorno da região afetada que teria passado despercebido, os meteorologistas solicitaram imagens do radar meteorológico de Minas Gerais. Não há previsão de quando as análises serão concluídas.