TRE reúne a imprensa para orientação

Instrumento facilitador para formar a consciência do eleitor, a aproximação institucional entre a imprensa e a Justiça Eleitoral foi debatida ontem em Vitória por representantes do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), da Associação Nacional de Jornais (ANJ) e do Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Espírito Santo (Sertes).

Em orientação a profissionais de imprensa, o seminário “Eleições e a mídia” mapeou regras gerais e mudanças do processo eleitoral. Membro do comitê jurídico da ANJ, o palestrante Alexandre Jobim detalhou o calendário eleitoral e recentes decisões que permitem a veículos manifestar opinião sobre candidatos, desde que não haja tratamento privilegiado.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

“Mais massivos, rádios e TVs têm maiores restrições. Na mídia impressa, não há limitação de espaço para noticiário sobre eleições, mas é recomendado tratamento isonômico”, disse.

Carlos Fernando Lindenberg Neto, o seminário, já realizado em pleitos anteriores, discute a eleição à luz da cobertura da imprensa. “A legislação eleitoral é mutante e tem interpretações diferentes. Este é um evento de aproximação e informação. A imprensa tem relevante papel para o eleitor tomar a melhor decisão”.

“Sem a imprensa, a gente não faz uma eleição, sobretudo com novos fatores como a lei Ficha Limpa e as redes sociais”, afirmou o presidente do TRE, Sérgio Bizzotto. O canal de comunicação mais democrático da sociedade com a política é a imprensa, “decisiva na educação do eleitor”, reiterou o palestrante Marcelo Abelha, juiz eleitoral.