Mantenópolis: Adolescente atira em irmão

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Segundo o Boletim de Ocorrência Policial, na ultima noite de quinta-feira, 01 de novembro de 2012, através de uma ligação via 190, foi informado que um cidadão havia sido vítima de um disparo de arma de fogo no bairro Ipiranga em Mantenópolis. Com a chegada da polícia, foi constatado a veracidade do fato e imediatamente a vítima foi levada até o Hospital Nossa Senhora das Dores. No Hospital, o policial que socorreu a vítima questionou ao Menor J.P.R.S, 14 anos, que participou do socorro a vitima, sobre o que havia acontecido e o mesmo relatou que a vítima e ele estava no interior de sua residência, manuseando o revólver calibre 38. Em seguida a vítima, A.C.O, 15 anos, municiou o revólver com cinco munições e disse a seguinte frase:  “Isso mata uma pessoa”, e entregou a arma ao outro menor. J.P.R.S achando que a arma encontrava-se travada, apontou para a vítima efetuando um disparo acidental. Ao conferir o armamento e as munições foi constatado cinco projéteis, sendo uma deflagrada, uma picotada e três munições intactas. O menor J.P.R.S foi conduzido sem lesões e sem necessidade de algemas ao DPJ de Barra de São Fransisco, acompanhado por sua responsável legal a senhora Derli Maria da Lima.
Após o ocorrido a polícia recebeu diversas denúncia as quais diziam que o menor J.P.R.S estaria traficando entorpecentes. Sendo questionado sobre as denúncias, o menor confirmou e disse onde poderia ser encontrado as devidas drogas. A policia se deslocou até o local informado e foram encontrados quatro pedras aparentando ser craque. Outras denúncias feitas informa que a tentativa de homicídio não foi acidental e sim um acerto de contas referente a dívidas de drogas e que a arma utilizada pertence aos indivíduos conhecidos como “Zói” e “Elvin”. Foram apreendidos a arma utilizada sendo que e a mesma estava com a numeração raspada, quatro pedras aparentando ser craque, R$ 20,00 em dinheiro e um aparelho celular modelo E71.
Cabe agora ao delegado da comarca investigar o caso.