Supremo Tribunal Federal abre sessão para relator votar sobre José Dirceu

O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu na tarde desta quarta-feira a 31ª sessão para o julgamento do mensalão. Hoje, o relator, ministro Joaquim Barbosa, vai começar seu voto sobre os acusados de comprar votos no Congresso Nacional. Estão neste capítulo do julgamento os réus do núcleo político: o ex-ministro José Dirceu, o ex-presidente do PT, José Genoino, e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares.

Barbosa disse que pretende concluir ainda nesta quarta-feira seu voto sobre os 10 acusados por corrupção ativa. Os próprios colegas de Corte, porém, estimam que a análise do relator deve se estender até a sessão desta quinta-feira (4).

O relator votará pela condenação de Dirceu, Genoino e Delúbio. Ele concordará com a acusação que Dirceu era o responsável maior por ordenar a compra de apoio político no Congresso Nacional. Ainda na visão do Ministério Público, o empresário Marcos Valério, que chefiava o núcleo publicitário, seria o operador dos pagamentos aos políticos enquanto Delúbio era o elo entre os dois grupos.

Alguns ministros confidenciam que as condenações nos capítulos anteriores embasariam a extensão da punição a Dirceu. Na visão deles, absolver aquele que é apontado como chefe da quadrilha pelo Ministério Público seria semelhante a entender que o mega sistema de corrupção existia sem um comando, o que seria inverossímil.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Baseiam ainda o entendimento dos ministros que votarão pela condenação os encontros do ex-ministro do governo Lula com Valério e a cúpula do Banco Rural e benesses de outros acusados à ex-mulher de Dirceu, Ângela Saragoza. Na mesma época dos milhões de reais em repasses a políticos, ela conseguiu um emprego no BMG, um financiamento no Banco Rural e vendeu um apartamento a Rogério Tolentino, ex-advogado das agências de Valério. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, chegou a descrever como “torrenciais” as provas do envolvimento de Dirceu.

A defesa do ex-ministro sustenta que ele não sabia dos empréstimos fraudulentos usados no esquema nem dos pagamentos a parlamentares. Afirma que Dirceu não participava da direção do PT desde que tomou posse na Casa Civil do governo Lula.

Além de Dirceu, Genoino, Delúbio, Valério e Tolentino são acusados de corrupção ativa e estarão em julgamento ainda neste capítulo os ex-sócios de Valério, Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, a ex-diretora financeira da SMP&B, Simone Vasconcellos, a ex-funcionária da agência Geiza Dias e o ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto.