Segundo polícia guerra de famílias pode ter originado os tiroteios seguidos de morte

A polícia acredita que uma guerra entre as famílias Maroto e Arcanjo tenha originado os tiroteios ocorridos na tarde desta quarta-feira em Barra de São Francisco/ES, que provocou a morte de duas pessoas e ferimentos graves em outras duas.

O primeiro tiroteio aconteceu nas proximidades das Três Vendas, perto da Escola Família Agrícola, quando o Gol dirigido por Antônio Maroto foi atingido por dezenas de disparos de arma de fogo, que resultaram na morte de sua mulher Carla Sarria, que levou um tiro na cabeça e outro no braço, e ferimentos graves em Antônio Maroto e João Vitor, 12 anos, filho de Carla.

Antônio e João Vitor foram socorridos ao Pronto-Socorro de do Hospital Drª Rita de Cássia, sendo que o garoto, em decorrência da gravidade de seu ferimento, foi encaminhado a um dos hospitais de Colatina/ES.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Sebastião Maroto, o Taninho, que também estava no veículo, não foi atingido pelos disparos efetuados por ocupantes de um veículo que evadiu-se do local depois do atentado.

Até o momento apenas um dos acusados foi identificado pela polícia, que informou tratar-se de Cristiano Arcanjo. Contudo, ninguém até o momento foi preso, a polícia continua realizando buscas na região e acredita que até o final da noite ou no mais tardar no amanhecer, conseguirá prender os acusados.

Minutos depois do atentado, outro tiroteio foi registrado, dessa vez no Bairro Campo Novo, no Distrito de Paulista, provocando a morte de Moisés Conceição Arcanjo, que era primo de Cristiano, acusado de ter participado do primeiro tiroteio. Moisés chegou a ser socorrido, mas morreu a caminho do hospital.

Policiais que estiveram no local descobriram que a execução de Moisés tinha sido efetivada por Agnaldo Maroto, irmão de Antônio, e outro indivíduo conhecido apenas como Neguinho, que estão foragidos.

Moradores do distrito afirmaram que os crimes podem ter sido motivados por um antigo desentendimento entre as famílias Maroto e Arcanjo, desavença que já gerou outros assassinatos.