Satélite do tamanho de ônibus deve cair na Terra nesta sexta

Pedaços do satélite UARS (Upper Atmosphere Research Satellite) usado para medir a camada de ozônio devem cair na Terra na tarde desta sexta-feira (23), de acordo com a Nasa, a agência espacial americana. A agência ainda não sabe o local, nem o horário exato da queda, mas afirmou que o satélite não deve atingir a América do Norte.

Desde o começo da semana, a Nasa destaca que os riscos para a população são “mínimos” e reafirma que a segurança é uma de suas prioridades. De acordo com estimativa divulgada pela própria agência, a chance de uma pessoa ser atingida por alguma parte do satélite em algum lugar do mundo é de uma a cada 3.200.

O satélite tem aproximadamente o tamanho de um ônibus, mede 3 m x 10 m, pesa 5,9 toneladas e tem dez instrumentos para medir as reações da camada de ozônio, mas foi oficialmente desativado em 2005.

Mas, segundo a própria agência, boa parte de seus pedaços devem ser incinerados logo na reentrada da atmosfera terrestre. Sobrando apenas 26 para além da atmosfera, segundo os cientistas.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

O lixo espacial carregado pelo satélite está orbitando a Terra a cada uma hora e meia, e deve cair em algum momento da tarde.

“A reentrada [na Terra] é esperada em algum momento durante a tarde de 23 de setembro, na hora do leste. O satélite não passará pela América do Norte durante esse período”, disse a Nasa a sua mais recente atualização emitida nesta quinta-feira (23).

– Atualizações mais frequentes estão agendadas para 12, seis e duas horas antes de ele cair.

Os cientistas dizem ainda que as peças do entulho espacial vão cair em algum lugar entre a latitude 57 norte e 57 sul, que abrange a maior parte do mundo habitado. Os detritos devem abranger uma área aproximada de 800 km.

O Departamento de Defesa dos EUA está monitorando o caminho da satélite e passando as informações para as agências federais, entre elas a Agência Federal de Gestão de Emergência.

O satélite não contém combustível e assim não se espera que suas partes se explodam com o impacto.