Reclamações de compras na internet geram 1.606 reclamações no Procon-ES até novembro

O número de reclamações de compras pela internet cresceu no Estado. Até novembro deste ano, o Procon Estadual recebeu 1.606 reclamações de consumidores. Já em todo ano de 2011, foram 1.578 registros. O número de reclamações tende a aumentar, de acordo com o órgão, já que dezembro é o mês em que as pessoas realizam muitas compras.

Em geral, os clientes se queixam da não entrega de produtos ou da demora na entrega do produto, garantia, cancelamento de compra, produto entregue diferente do pedido e produto entregue com danos. As principais reclamações são relativas a produtos eletrônicos, de acordo com o assessor do Procon do Espírito Santo, André Marques.

Produto não chegou

Em outubro deste ano, a engenheira civil Taíze Queiroz caiu no golpe de uma empresa fantasma na internet. Após pesquisar os melhores preços, ela decidiu comprar uma geladeira e uma máquina de lavar para a sua casa nova. A engenheira escolheu a loja virtual FreeShop Informática depois de verificar o CNPJ da empresa na Receita Federal e pesquisar a reputação da loja na internet.

Taíze entrou em contato com a empresa pelos telefones disponibilizados no site e pagou o boleto bancário no valor de R$ 3.568. A compra foi efetuada no dia 16 de outubro e os produtos não chegaram até o dia 25. Por telefone e por e-mail, a empresa alegou problemas no estoque e confirmou a entrega para o dia 26.

Crime

Sem receber as mercadorias, no dia 30 de outubro, Taíze percebeu que tinha sido vítima de estelionatários. Os telefones de Tocantins, São Paulo e Rio de Janeiro já não atendiam. Além disso, o site “Reclame aqui” já registrava a reclamação de mais de 50 pessoas.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Para receber o dinheiro de volta, Taíze vai depender da Justiça. “Eu me sino enganada e impotente. A gente fica perdido porque não sabe a quem recorrer quando se encontra em uma situação dessas. As pessoas dos órgãos querem ajudar, mas não tem a informação correta para chegar você no seu objetivo, que é reaver o dinheiro”, disse.

A denúncia dos consumidores enganados, como Taíze, levou a polícia a uma quadrilha especializada nesses golpes. Segundo a Polícia Civil de Goiás, eles agiam havia dois anos. Já tomaram mais de R$ 2 milhões de vítimas de vários estados. O grupo pode ter criado mais de dez sites fraudulentos. New Best Shop e FreeShop Informática foram dois sites identificados, que estão fora do ar.

Orientação

O assessor do Procon do Espírito Santo André Marques orienta que os consumidores acessem a lista  com mais de 200 sites que devem ser evitados pelo consumidor, divulgada pelo Procon-SP. Além disso, as pessoas devem pesquisar a reputação da loja virtual na internet, verificar o CNPJ e endereço físico.

“Na dúvida, o consumidor deve procurar referências com quem já fez compras. Procure pessoas próximas que já fizeram compras no site, pergunte se foi bem-sucedida e se teve alguma dificuldade”, explicou.

Em caso de problemas após as compras, o consumidor deve registrar a reclamação no Procon e registrar um boletim de ocorrência na Delegacia de Defesa do Consumidor.