Presidente do TSE faz balanço positivo das eleições

Em entrevista coletiva concedida na noite do último domingo 07/10,  no Auditório I do edifício-sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, destacou a eficiência do sistema de apuração dos votos e a demonstração de democracia dada pelo eleitorado brasileiro que compareceu às urnas para eleger seus prefeitos e vereadores.

Segundo a ministra, as eleições transcorreram em clima de absoluta normalidade e tranquilidade, sem incidentes graves, e os eleitores puderam exercer seu direito de voto de forma livre, democrática e soberana. Ela ressaltou que poucos depois das 20h, a Justiça Eleitoral já havia apurado mais de 90% das urnas.

O sucesso da urna com leitor de identificação biométrica, adotada integralmente em Sergipe e em Alagoas, também mereceu destaque especial por parte da ministra. Alagoas registrou mais de 96% de comparecimento e, em Sergipe, quase 95% dos eleitores compareceram às urnas, um resultado excepcional que consolida a importância da evolução tecnológica para garantir ainda mais segurança e lisura ao processo eleitoral.

A eleição 2012 também foi marcada pela tranquilidade. Segundo a ministra, menos de duas mil pessoas tiveram envolvimento em situação de decretação de prisão, contra quase cinco mil registrados em 2008 e cerca de 3,5 mil na eleição de 2010. Cármen Lúcia enfatizou que foram situações pontuais que posteriormente serão esclarecidas pelos Tribunais Regionais Eleitorais.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

A presidente do TSE fez questão de agradecer a participação serena e democrática da imprensa brasileira no processo eleitoral. Ela reiterou que é exatamente e por temos uma imprensa livre, caminhando junto com as intuições, que o Brasil tem eleições livres, onde os eleitores podem exercer seu direito ao voto com tranqullidade e segurança.

Para a ministra Cármen Lúcia, a Lei Complementar nº 135/2012, a Lei da Ficha limpa, deu um ânimo maior ao eleitor, mas admitiu que o cidadão brasileiro ainda precisa ser melhor informado sobre pormenores da nova lei, uma tarefa que cabe também à Justiça Eleitoral.

Ela ressaltou que a política não pode ser demonizada, por se tratar de uma atividade nobre e vital para o fortalecimento da democracia. “Mas a política que nós queremos é a política com ética”, afirmou a ministra, acrescentando que o Brasil está avançando neste caminho.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (ETF) e ex-presidente do TSE, ministro Ayres Brito, destacou a prova de maturidade, o espírito democrático, a competência administrativa e o refinamento tecnológico apresentados na eleição de 2012. Ele cumprimentou a ministra Cármen Lúcia por sua devoção e competência na condução do processo eleitoral de 2012.