Presidente do TJ divulga carta e pede diálogo com manifestantes

pedro_min_cfafa-942536O presidente do Tribunal de Justiça do Estado, desembargador Pedro Valls Feu Rosa, se colocou à disposição dos manifestantes que sairão em caminhada nesta quinta-feira (20) para dialogar sobre as reivindicações que sejam de competência da Justiça. Em carta aberta endereçada “à população capixaba”, ele defende o “respeito ao legítimo direito de manifestação pacífica”.

 

 

1_carta_feu-942531Representantes da liderança do manifesto desta quinta-feira (20) classificaram como “muito feliz e produtiva” a carta aberta divulgada pelo Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJ-ES), na tarde desta quarta-feira.

Walmir Junior, um dos representantes do manifesto e aluno do curso de Gemologia da Ufes, recebeu a carta em mãos de um assessor do tribunal. E informou que os manifestantes estão bastante satisfeitos com a postura do tribunal.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

“Nós consideramos como bastante positivo esse tipo de posicionamento. Mostra que o Tribunal de Justiça está aberto ao dialogo com os manifestantes, ao contrário do governo do Estado, que não quer saber de conversa e ainda não deu nenhum tipo de retorno. A medida do TJ é extremamente democrática. Isso é a democracia. Um representante legal ouvindo a população, antes mesmo da manifestação ir para a rua”.

Walmir informou ainda que uma nova carta será feita, mas desta vez serão os manifestantes que enviarão um comunicado à Justiça capixaba. Entre os assuntos, um já está definido. “Vamos entregar uma carta amanhã ao Tribunal de Justiça. Mostrar as reivindicações com relação à Justiça, para iniciar um diálogo. Inclusive cobrando que sejam apurados os atos de agressão feitos pelo governo do Espírito Santo nas manifestações de segunda-feira”.

A passeata “Não é por 20 centavos – Ato Nacional a favor da democracia”, sairá da Universidade do Espírito Santo, em Goiabeiras, às 18h, e seguirá pelas avenidas Fernando Ferrari e Reta da Penha, pela Praça do Pedágio e pela Assembleia Legislativa, chegando ao Tribunal de Justiça, na Enseada do Suá.