Presidente diz que maior desafio é enfrentar hipocrisia

Ao dar posse à desembargadora Catharina Novaes como supervisora das Varas da Infância e Juventude e à juíza Janete Pantaleão como coordenadora estadual, o presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), desembargador Pedro Valls Feu Rosa, fez um discurso de improviso, no qual disse que o maior desafio da magistrada não será de ordem administrativa, financeira e nem institucional, mas “enfrentar o cinismo e a hipocrisia, um obstáculo conhecido na mente de cada brasileiro há séculos”.

A afirmação do desembargador foi feita ao final do discurso, quando fez uma analogia para demonstrar o tamanho do problema da criança e adolescente no Brasil: “Imaginem que saia de Vitória um avião com 100 crianças para a Disney e, no meio do caminho, pegue foto. Será um escândalo. Agora, imaginem se sair um avião num dia e outro no outro dia, ambos com 100 crianças, e os dois pegarem fogo. Será uma hecatombe”.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Na situação hipotética, o desembargador disse: “Certamente criariam uma CPI, cairia o Ministro dos Transportes, o pessoal da Infraero iria preso e apareceria alguém pedindo a prisão e, possivelmente, a execução sumária dos responsáveis pela morte das 200 crianças, Haveria uma repercussão bombástica no mundo inteiro”.

E introduziu a razão da comparação: “Por dia, no Brasil, morrem 20 crianças vítimas de doenças que têm como causa a falta do que comer. Isso significa 600 crianças por mês, ou seis aviões lotados de criança. Mas nunca vi uma CPI, um discurso político inflamado, uma ação no mundo das leis, porque são miseráveis os que vão morrendo pelas favelas, ruas e abrigos. Vamos deixando morrer. E, daqui a pouco, na verdade, não são crianças, são molequinhos, bandidinhos, pequenos malfeitores”.

É este desafio do “cinismo e da hipocrisia” que espera a desembargadora Catharina Novaes, de acordo com o presidente do Tribunal de Justiça, que aproveitou o salão nobre lotado no Palácio da Justiça para convocar a sociedade a dizer não. “É hora de levantar a cabeça, hora de o povo brasileiro demonstrar que sua maioria é feita de gente que não se omite, de pessoas respeitáveis. É hora de dizermos, a uma só voz, que está errado tudo isso”.