Prefeituras de Colatina e Governador Valadares negam rompimento de represa em Minas Gerais

1_cda18122013gz185438-1186299As prefeituras de Colatina, no Espírito Santo, e de Governador Valadares, em Minas Gerais, informaram que não houve o rompimento de uma represa na cidade mineira. A notícia tinha sido divulgada na tarde deste sábado (21) com base em informações fornecidas pela Polícia Militar de Baixo Guandu, no Estado.

A reportagem do GAZETA ONLINE entrou em contato com a Prefeitura de Governador Valadares, que confirmou que não houve rompimento de represas no município. Mas a cidade teve a maior chuva de sua história, registrando em dois dias, 17 e 18, o dobro do que estava previsto para o mês de dezembro. Foi esse volumes de água que aumentou o nível do Rio Doce, em Minas Gerais, e acabou repercutindo nos municípios capixabas. Além disso, segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de Governador Valadares, foi registrada fortes chuvas na cabeceira do Rio Manhuaçu, que deságua no Rio Doce, na cidade mineira de Aimorés.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Em Colatina, o rio já ultrapassou a cota de inundação que é de 5,20 metros. A Defesa Civil Municipal informou que o rio está em 7,10 metros até a tarde deste sábado. No município já são 25 pessoas desabrigadas, 89 desalojadas e 35 edificações danificadas.

Ainda há registro de deslizamentos nos bairros Nossa Senhora Aparecida e Santo Antônio. Neste último bairro, um homem morreu soterrado na noite desta quarta-feira (18), por volta das 23h, após ter a casa atingida por uma pedra que deslizou de uma encosta.

A BR 259 foi totalmente interditada na manhã deste sábado (21), no quilômetro 79,5, em Itapina, devido a pedras e lama na pista. De acordo com a PRF, a pista foi parcialmente liberada por volta de 14h30 no trecho. A PRF pede atenção aos motoristas pois há outros pontos de queda de barreira.

No distrito de Ponte do Pancas, ainda em Colatina, cerca de 20 famílias estão abrigadas na casa de vizinhos.