Prefeitura interdita parque de diversão após jovem se acidentar

O parque de diversão “Magic Park” foi interditado no final da manhã desta segunda-feira (23) pela Prefeitura de Cariacica, após um jovem de 15 anos . O estudante Raphael Carvalho Pires continua internado em estado grave no Hospital Infantil, em Vitória. O parque funcionava sem autorização da prefeitura e do Corpo de Bombeiros.

Raphael estava no brinquedo conhecido como “disco giratório” ou “Tagadá” quando caiu e bateu com a cabeça. O acidente aconteceu na noite da última sexta-feira (20). O jovem está com traumatismo craniano e o estado de saúde dele é considerado grave. Um boletim médico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), na manhã desta segunda, informou que o quadro de saúde do jovem é estável.

De acordo com familiares do jovem, Raphael foi acompanhado da namorada e de dois amigos ao parque, localizado no bairro Alto Dona Augusta, que estava funcionando há uma semana na região. O acidente foi registrado às 21 horas da última sexta-feira.

A irmã de Raphael, Aline Carvalho, 19 anos, disse que o brinquedo estava em alta velocidade. O irmão teria tentado se levantar para dançar, já que durante o funcionamento do brinquedo um funcionário do parque dança no centro do disco, quando o adolescente foi arremessado.

“Os amigos disseram que Raphael estava sentado e resolveu levantar como as outras pessoas. A música tocava e as pessoas dançavam como o dançarino. Ninguém chamou a atenção dele. Mesmo ele caído no meio do mato o brinquedo continuou funcionando. Os amigos chegaram a falar, mas não foram ouvidos”, disse Aline.

Raphael foi socorrido por uma ambulância do SAMU, após os colegas e funcionários do parque terem acionados o socorro. O menino foi arremessado por 30 metros, caindo descordado, atrás do brinquedo. Os colegas e namorada ficaram desesperados.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

A irmã do jovem disse que os responsáveis pelo parque não estão prestando assistência.”Até agora não estamos recebendo apoio dos responsáveis pelo parque. Meu irmão está gravemente ferido com um pancada que sofreu na cabeça. Ele pode ficar com sequelas. O tratamento dele, por enquanto, está sendo de graça e depois quem vai arcar com os prejuízos?”, questiona.

O proprietário do Magic Park, Daniel Pereira, disse que vai prestar toda a assistência ao adolescente. Ele afirmou ainda que o parque funciona há 30 anos, passando por diversos locais do Estado. Daniel contou ainda que o parque tem autorização da prefeitura para funcionar, mas que ainda está aguardando uma vistoria do Corpo de Bombeiros.

O proprietário do parque contou que durante a brincadeira os funcionários que estavam trabalhando no brinquedo chegaram a chamar a atenção de Rafael pelo fato dele ter ficado em pé, o que não é permitido.

“Foi chamada a atenção dele, mas não atendeu. Ele levantou novamente e acabou caindo. Nós temos uma enfermeira que prestou os primeiros socorros e depois chamamos o Samu. Trabalhamos com esse brinquedo há quatro anos e nunca aconteceu isso. Agora, nós estamos dando toda a assistência aos familiares”, frisa Pereira.

Ao lado do brinquedo existe um cartaz com as recomendações para os usuários, como por exemplo, só é permitido pessoa com mais de dez anos. Inadequado para pessoas cardíacas, gestantes, com labirintite e epilético. A duração do brinquedo é de três minutos e é expressamente proibido colocar a cabeça, os pés e os braços para fora do brinquedo e ainda ficar em pé com o brinquedo em movimento.

A Prefeitura de Cariacica informou que a Coordenação de Posturas recebeu da direção do parque a solicitação de autorização na sexta-feira, dia 20. A Prefeitura explicou ainda que só libera este tipo de atividade depois que os brinquedos e toda estrutura sejam avaliadas e liberadas pelo Corpo de Bombeiros.

O Corpo de Bombeiros vai se pronunciar, por meio da assessoria, na tarde desta segunda-feira, porque está fazendo um levantamento para identificar se o parque deu ou não entrada no pedido de vistoria.