Prédio onde funciona escola em Mantenópolis volta a ameaçar com tremores

Novamente, pais, alunos e professores da Escola Municipal de Ensino Fundamental Eliezer Eduardo Ribeiro estão preocupados com um possível tremor  de uma das salas onde funciona a Escola Eliezer Eduardo Ribeiro. Segundo a professora, que preferiu não se identificar, quando ela estava em sala de aula lecionando viu a janela da sala tremer, imediatamente a mesma comunicou à diretora da escola que achou um fato normal, porque as janelas de sua residência também costumam tremer. Mesmo assim a diretora da escola Nordeci Gomes de Figueiredo entrou em contato com a Secretaria de Educação do Município e explicou o que havia acontecido, logo foi acionado à engenheira civil responsável pelo município, juntamente com pedreiro responsável pela construção da obra que por duas vezes consecutivas avaliaram a construção e não detectou nada de irregular. Sendo assim a engenheira emitiu um documento que o ocorrido não atrapalharia o funcionamento normal da escola.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

A preocupação dos pais e alunos fizeram com que os pais não mandassem os alunos para a escola. Para dar mais segurança aos pais a prefeitura está tentando localizar o coordenador de defesa civil do município para poder acionar a Defesa Civil a vir inspecionar a escola. Até o momento a diretora da escola não obteve nenhuma resposta se haverá ou não inspeção da Defesa Civil na escola.

Segundo a diretora, de acordo com a avaliação da engenheira não há motivos para alarmes, no entanto, nota-se alguma preocupação entre alguns professores, que preferiram não se identificar, sobre os pais não estarem mandando os filhos para a escola, acreditando até que alguns alunos desistam de ir para a escola. Na opinião destes professores o prefeito de Mantenópolis deveria transferir a escola para outro local, uma vez, que o município possui outros prédios que possa funcionar a escola com segurança para os professores, funcionários e alunos. Os professores preferiram não dar mais declarações, mas acreditam que as autoridades competentes já estão fazendo algo para que essa situação seja resolvida.

Fonte-radiotransasonfm

Redação-Izaias Cruz