Policiais Militares entram na igreja evangélica e tentam parar culto em Mantenópolis

480793_360793524036560_390354036_n

A Igreja Batista Renovação em Mantenópolis esteve promovendo um evento especial aos jovens nos dias 22 e 23 de Março com a presença do Ministério Jesus Freak de Conceição da Barra.

No sábado (23) por volta das 20:00 horas a Policia Militar adentrou ao Templo da Igreja Renovação, dirigindo-se ao altar e pediu ao Grupo de louvor (Jesus Freak) que abaixassem o som.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

faceDe acordo com o boletim de ocorrência um dos vizinhos da igreja acionaram o 190 da Policia Militar, solicitando que a mesma fosse ao local, pois o som que vinha da igreja era ensurdecedor e relatou no boletim de que os vizinhos estariam incomodados com as gritarias e algazarras. Ainda conforme o boletim de ocorrência os policiais foram até o local e não encontraram os dirigentes da igreja na entrada da mesma, dai pediram um membro da igreja para comunicar aos dirigentes que eles estavam ali a espera da direção do evento, porém, após esperar cerca de 15 minutos, os policiais decidiram entrar no templo e se dirigir ao altar para pedir ao Lider da banda que abaixassem o som, sendo atendido imediatamente pelo mesmo. Conforme o Lider dos jovens da igreja, Juelton Ker, os policiais entraram no templo sem ao menos comunicar aos líderes da igreja e responsáveis pelo evento, Pr. João Marciano e Juelton Ker, nos quais os mesmos estavam ali na igreja quando os policiais se dirigiram ao altar pedindo ao grupo de louvor que abaixassem o som. Foi então que os líderes da igreja se digiram aos policiais indagando o motivo pelo qual estariam fazendo esse pedido. Nesse momento, conforme Juelton, um dos policiais chegou a ameaçar dar voz de prisão ao pastor da igreja porque o pastor tinha indagado ao policial, por qual motivo ele estava agindo dessa forma num culto evangélico e não estaria agindo assim em festas seculares que acontecem pela cidade. No final, tanto o pastor como o Lider dos jovens resolveram pedir a todos que apenas continuassem o culto com louvores feitos a base de voz e violão. A equipe de reportagem procurou ao Pr. João Marciano Filho nesta manha, que nos relatou o fato de não concordar com a forma que os policiais agiram e ainda citou o fato de que foi informado de que deveria se ter um decibelímetro (aparelho de medir os decibéis) na casa da pessoa que fez a denuncia e então ser medido qual a altura do som que estava incomodando essa pessoa e então chegar a uma solução para o fato, coisa que não aconteceu. Eles ainda relatou que foi informado de que os policiais não poderiam entrar armado no templo religioso em meio ao culto a não ser que fosse um caso de perigo de vida para quem estivesse presente. Pr. João ainda nos informou de que a Igreja Renovação já está entrando com um pedido de retratação pelo Estado ou pelos policiais responsáveis pela corporação no ministério público. O pastor ainda relatou que foi informado de que os policiais mandaram um recado pra ele por alguns membros da igreja que estavam do lado de fora logo após o ocorrido de que se ele não abaixasse o som, os policiais iriam prender todos os presentes na igreja. Conforme o funcionário público Geraldo Jonair, os policiais provavelmente não conheciam a lei ou agiram de forma arbitrária e com abuso de autoridade. Varias pessoas estão usando o site de relacionamento e manisfestando a indiguinação sobre o assunto. De acordo com a Constituição Nacional no Art.19, onde diz que ” É vedado a União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: Estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalva, na forma da lei a colaboração de interesse público.” E também é crime previsto no Código Penal: Ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo. Art.208 – Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso.”