Pai que lançou filhas à morte da ponte de Nova Almeida vai a júri popular

“Eu joguei elas no rio (sic). Mas eu amava as minhas filhas. Também amava a mãe delas. Eu quis voltar para ela, e ela não quis”. Esse foi o argumento do pedreiro Wilson Barbosa, preso horas depois de ter jogado as duas filhas, uma de 2 e outra de 4 anos, da ponte que liga Nova Almeida a Fundão.

O pedreiro Wilson da Conceição Barbosa, acusado de matar as filhas Luciene da Conceição Barbosa, 4 anos, e Luciana Dortes Barbosa, de 2 anos, vai a júri popular. A juiza Carmen Lúcia frisou que a demora para se chegar a uma decisão se deve ao resultado do exame psiquiátrico, requerido pela magistrada em julho de 2010.

A juíza da da 3ª Vara Criminal da Serra, Carmen Lúcia Correa, também manteve a prisão do assassino. De acordo com a decisão, um conjunto de circunstâncias conhecidas e provadas tornam plausível a acusação. Além disso, depoimentos de testemunhas trazem fortes indícios contra o acusado.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

“os indícios são de que as vítimas não tinham condições de se defender por suas próprias condições físicas, posto que, se encontravam na primeira infância; que morreram por asfixia decorrente de afogamento, meio cruel, e o crime teria sido praticado pelo réu para se vingar da mãe das vítimas que se recusou a manter com ele uma relação amorosa,
motivação torpe”.
Curiosos na ponte sobre o Rio Reis Magos de onde o pedreiro Wilson da Conceição Barbosa, 37, jogou as filhas Luciana Dortes Barbosa, 02 anos e Luciene da Conceição Barbosa, 04, no rio
De acordo com a juíza, o exame psiquiátrico concluiu que o acusado tem longo histórico de abuso de álcool e vários anos de uso de crack e “dependência leve a moderada de álcool e crack”.

Entretanto, no dia do crime, cita o aludo, o pai das meninas não estava embriagado ou drogado. Ele teria admitido que matou as filhas para se vingar da ex-mulher.