OAB ignora críticas de ex-juiz investigado pela Operação Naufrágio

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Seccional Espírito Santo -, Homero Mafra, não quis polemizar e ignorou as críticas do ex-juiz Frederico Luis Schaider Pimentel, impedido de advogar por decisão da OAB em junho deste ano. Frederico Pimentel é um dos acusados de envolvimento com supostas vendas de sentenças no Tribunal de Justiça do Estado (TJES) de acordo com investigação da Operação Naufrágio no Estado.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

No dia 10 deste mês, em uma sessão sigilosa, a OAB decidiu suspender por 120 dias as atividades dos advogados Pedro Celso Pereira, Paulo Guerra Duque e Gilson Letaif Mansur Filho. O trio também é alvo de investigação dos processos resultantes da Operação Naufrágio. A decisão chegou a conhecimento público na última quinta-feira (17). Um dia depois Frederico Pimentel expôs críticas em uma página de opinião no jornal ‘A Gazeta’.

Frederico diz o seguinte: “A OAB-ES estaria sendo democrática, justa e aplicadora das leis, quando dá tratamento diferenciado a todos os envolvidos na ‘Operação Naufrágio’? Ou seria politicagem?”, indagou o ex-juiz. Frederico foi demitido do Judiciário em processo disciplinar, após a Operação Naufrágio. Após isso, ele teve o pedido de reinscrição na OAB-ES negado em uma sessão de conselheiros da Ordem.

Na tarde desta sexta-feira (18) Homero Mafra disse por telefone para nossa reportagem que a OAB não vai comentar as palavras do “bacharel de Direito Frederico Schaider Pimentel”. Homero acrescentou que a situação dos três advogados é diferente do caso de Frederico.

Mafra explicou ainda que está impedido de conceder entrevistas a respeito do assunto por causa do estatuto da OAB, uma vez que a sessão que decidiu pela suspensão dos advogados transcorreu em caráter sigiloso. Na época da decisão em junho, Frederico afirmou que não teve o direito de defesa no julgamento e que iria recorrer da decisão.

fonte-gazetaonline