Novo aumento na conta de energia de 2,29% começa na sexta (07) em todo ES

conta_de_luz_pre_paga_nao_sera_obrigatoria_161509-83813
Desde janeiro deste ano, os capixabas já sofreram com aproximadamente 40% no aumento da conta de energia. Pedido da Escelsa à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prevê um reajuste de mais 2,29% que passará a vigorar – se aprovado – a partir desta sexta-feira (07).
Nesta terça-feira (04) a diretoria da Aneel se reuniu, em Brasília, para uma reunião extraordinária da diretoria, em que decidiu um novo percentual de aumento. O pedido da EDP Escelsa foi de 36,41%.
Àqueles que receberam um aumento muito elevado e estão estranhando o valor extrapolado, a EDP Escelsa diz que é necessário encaminhar, pelo telefone 0800 721 0707 – em horário comercial – o número da instalação que consta na conta de energia ou o nome completo junto ao CPF do titular da conta.
No total, a EDP Escelsa atende 70 municípios capixabas contabilizando aproximadamente 1,38 milhão de clientes. Já a Aneel informou que, O reajuste tarifário é um mecanismo utilizado para restabelecer o poder de compra da receita obtida por meio das tarifas praticadas pela concessionária. “Ao calcular o reajuste, a Agência considera a variação de custos que a empresa teve no ano. O cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M, e outros custos que não acompanham necessariamente o índice inflacionário, como energia comprada, encargos de transmissão e encargos setoriais. Existe um calendário de reajuste por concessionária”, diz em nota.
Aumento e bandeira: entenda
Além do aumento das tarifas, os valores das bandeiras também tiveram um reajuste, que foi justificado a partir da crise de abastecimento hídrico crítico e a necessidade de usar mais energia térmica. As bandeiras tarifárias variam de acordo com as condições de geração de energia nos reservatórios.
A bandeira verde significa boas condições e por isso não há acréscimos. Já a bandeira amarela passou de R$1,50 para R$2,50 a cada 100kWh ao passo que a bandeira vermelha era R$3 e passou a ser R$5,50 a cada 100kWh. Neste ano, incluindo este mês (agosto), as contas têm sido calculadas com base na bandeira vermelha, a que tem o maior custo.