“Não a nenhuma prova contundente que me incrimine” diz ex. Prefeito de Mantenópolis

No site de relacionamento facekook  o ex. prefeito de Mantenópolis no dia que foi afastado por unanimidade pelo TJES afirma esta sendo acusado sem ter provas contra ele,  ” estou sendo acusado sem se ter nenhuma prova contundente que me incrimine, mas acredito na justiça brasileira e na democracia pois são as bases fundamentais que me estimulam estar firme e decidido a lutar por um mantenópolis cada vez melhor”, diz Ex. Prefeito.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

O  Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) acatou o pedido de afastamento do prefeito de Mantenópolis, no Noroeste do estado, na tarde de quarta-feira (8). O pedido havia sido feito pelo Ministério Público do Espirito Santo (MPES). O Ex. prefeito Eduardo Alves Carneiro é suspeito, junto a outros funcionários, de falsificar documentos para favorecer a contratação de uma empresa para a construção de um campo de futebol society com verba do projeto do Governo do Estado ‘Bom de Bola’, além de contratar uma empresa de jardinagem para realizar concurso público. A determinação do Tribunal de Justiça foi para o afastamento imediatamente, mas à decisão cabe recurso. Eduardo Alves Carneiro foi procurado pela equipe de reportagem, mas os seus telefones estavam desligados.

A relatoria do processo foi feita pelo desembargador Pedro Valls Feu Rosa, presidente do TJES, que constatou que “a denúncia descreve fatos, com todas as suas circunstâncias que, em tese, apresentam a feição de crime” .

Eduardo Alves Carneiro também é denunciado por crimes contra Lei de Licitação. O MPES apurou irregularidades na realização de concurso público no município, em 2010. Ainda segundo o Ministério Público do estado, o órgão requer a perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até 100 vezes o valor da remuneração recebida pelo agente, proibição de contratar com o Poder Público, ou receber benefícios ou incentivos fiscais pelo prazo de três anos.