Mosquito com genes modificados promete ser arma

Pesquisadores brasileiros estão desenvolvendo uma nova arma no combate à dengue. A ideia é produzir, em larga escala, mosquitos transgênicos estéreis. Serão machos do Aedes aegypti geneticamente modificados, que serão soltos na natureza para cruzar com as fêmeas transmissoras do vírus da dengue.

Esses machos passarão para essas fêmeas um gene que mata os filhotes. Estes morrem ainda na fase de larva, antes de atingir a fase adulta, reduzindo a população do Aedes aegypti a um nível capaz de controlar a transmissão da doença.

Esses mosquitos transgênicos serão liberados no ambiente em quantidade duas vezes maior do que os não estéreis. Nas áreas onde os insetos transgênicos já foram soltos, houve uma redução de 90% dos transmissores da dengue.

Os mosquitos modificados geneticamente serão produzidos pela empresa pública Moscamed. A produção será feita em Juazeiro, na Bahia, na sede da empresa, que foi criada em 2005 e é subsidiada pelo Ministério da Agricultura e pelo governo da Bahia.

Um projeto piloto, com resultados positivos, já foi desenvolvido entre 2011 e 2012 em dois bairros de Juazeiro, na Bahia. Agora, mosquitos geneticamente modificados serão soltos na cidade de Jacobina. Os testes vão durar dois anos, e, se comprovada a eficácia do experimento, o método poderá ser usado em todo o país.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Apesar de promissora, a nova técnica não tem o poder de resolver sozinha a epidemia de dengue no país ou no Espírito Santo. “Essa técnica é uma arma poderosa, mas precisa ser associada a outras ferramentas de combate à doença. É preciso reduzir a quantidade de mosquitos e, só depois, utilizar os insetos geneticamente modificados”, esclarece Aldo Malavasi, presidente da Moscamed e professor de genética da USP.

Números da doença no Estado

Notificações
Neste ano, até o final de junho, foram 12.981 notificações de casos de dengue em todo o Estado, de acordo com o último boletim da Secretaria de Estado
da Saúde (Sesa)

Dengue hemorrágica
Dessas notificações 489 foram suspeitas da forma grave da doença (dengue com complicação e dengue hemorrágica)

Mortes
Nesse período, oito óbitos em consequência da doença foram confirmados. e outros quatro estão sendo investigados

Cidades mais infestadas
Lideram a lista dos municípios mais infestados as cidades de Conceição da Barra, Sooretama, Viana, São Gabriel da Palha e Muqui