Morte de universitários: corpos de todos os jovens já foram resgatados em rio da Bahia

Os corpos dos cinco estudantes universitários capixabas desaparecidos foram retirados do veículo às margens do rio Mucuri, na cidade de Mucuri, Bahia, durante a madrugada desta quarta-feira e encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) de Texeira de Freitas.

O primeiro corpo resgatado no Rio Mucuri foi o de Marllonn Amaral, que foi arremessado para fora do veículo e já estava em adiantado estado de decomposição. Ele pode ter sido arremessado para fora do carro quando saiu da pista. Familiares de Marllon, que foram até o local onde o resgate foi feito, reconheceram o corpo da vítima.

O local onde o veículo foi encontrado, na noite de terça-feira, por uma pessoa que passava às margens da rodovia, fica entre a divisa do Espírito Santo e o distrito de Itabatã, que pertence ao município baiano de Mucuri, próximo a uma ribanceira de aproximadamente 30 metros de altura. De acordo com informações da Polícia Militar baiana, é uma área onde ocorrem muitos acidentes e, inclusive, nesta terça-feira, foi registrada outra tragédia onde cinco pessoas também morreram.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

O imprensa  teve acesso a diversas imagens do local do possível acidente onde os cinco corpos dos jovens do Espírito Santo que estavam desaparecidos desde a última sexta-feira foram localizados.

O Punto placas OBC 9685 estava dentro de um brejo, localizado embaixo da ponte do rio Mucuri, entre a divisa do Espírito Santo e o distrito de Itabatã, que pertence ao município baiano de Mucuri. Pelas imagens é possível ver que o veículo está capotado e parcialmente submerso. Ele teria caído de uma altura de aproximadamente 30 metros.

A área onde o automóvel foi encontrado ficou isolada desde o encontro dos corpos das vítimas. O Corpo de Bombeiros da Bahia conseguiu retirar o veículo de dentro da água durante a madrugada com o apoio de mais de 50 homens e de caminhões guincho. Uma equipe da Polícia Rodoviária Federal do Espírito Santo, de acordo com o inspetor Walter Mota, também auxiliou no resgate das vítimas.

Somente após a realização de uma perícia é que será possível saber se os estudantes do Espírito Santo foram realmente vítimas de um acidente.