Ministra Iriny Lopes pede providências contra suposto estupro no BBB

A ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes (PT), enviou, nesta segunda-feira (16), um ofício ao Ministério Público do Rio de Janeiro solicitando que o órgão tome providências em relação ao suposto estupro que teria acontecido dentro do programa Big Brother Brasil 2012, exibido pela TV Globo.

A ministra não quis falar sobre o assunto, mas informou, por meio da sua assessoria, que o objetivo da ação é fazer com que o MP entre no caso para conseguir mais elementos sobre a suposta violência.

A Polícia Civil já abriu inquérito para investigar o caso e os dois participantes do programa envolvidos no caso devem prestar depoimento no Projac, centro de teledramaturgia da Rede Globo.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Em um vídeo de aproximadamente sete minutos, é possível ver o  brother Daniel em movimentos suspeitos como se estivesse fazendo sexo com a sister Monique, que, por sua vez, parece dormir profundamente. A jovem deve ser submetida a um exame de corpo de delito, que pode comprovar se houve o crime de estupro.

Monique ficou embriagada durante uma festa no sábado (14). Debaixo de um edredom, Daniel agarrou a estudante. A polêmica começou depois que telespectadores disseram no Twitter que ela poderia ter sido vítima de estupro.

Chamada ao confessionário, a estudante disse que não teve relações sexuais com o modelo. O diretor-geral do reality show, J.B. Oliveira, o Boninho, convocou a sister para uma conversa, já que os telespectadores pedem a expulsão do participante.

Em seu blog, Boninho disse: “Ela não confirmou que teve sexo e disse que tudo o que aconteceu foi consensual. Não dá para garantir que houve sexo, muito menos estupro. Eles estavam debaixo do edredon e de lado. Mas o mais importante é que ela [Monique] estava consciente de tudo. Ela me disse que na hora que o clima esquentou pediu para ele [Daniel] sair da cama”.

Após passar pelo confessionário, Monique demonstrou estar confusa: “Será que eu fiz [sexo]?”