Ministério Público de Contas pede afastamento de Umberto Messias

O Ministério Público de Contas encaminhou nesta terça-feira (24) à presidência do Tribunal de Contas o pedido de afastamento cautelar do conselheiro Umberto Messias. O órgão também requer a instalação de um Processo Administrativo Disciplinar para avaliar a conduta de Messias, condenado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) no ano passado por ter recebido ilegalmente um cheque de R$ 50 mil. O dinheiro era proveniente dos cofres públicos.

Segundo o procurador-geral de contas, Luciano Vieira, o fato de Messias ter tirado mais uma licença médica não impede que ele responda a um processo. Após 153 dias afastado do TC, alegando problemas de saúde, Umberto Messias apresentou na última semana mais uma licença médica, desta vez de dois meses.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

O Ministério Público destaca no documento que a ‘sequência, forma e ocasião em que os atestados médicos foram apresentados indica deliberado propósito de impedir a deflagração do procedimento administrativo disciplinar, visando o conselheiro subtrair-se à ação correicional dessa Corte de Contas, demonstrando a atitude adotada a mais absoluta falta de respeito à instituição, o que apenas corrobora a alegação de que lhe falta o requisito básico da idoneidade moral para o exercício do cargo’.

“Há jurisprudências tanto do STF como do STJ indicando que não há impedimento para instauração de um Processo Administrativo Disciplinar durante licença médica. Analisamos os laudos e não há nenhuma informação de que ele esteja internado em tratamento ou fisicamente incapaz de responder a um processo administrativo”, disse o procurador de contas.

Atrelado ao pedido de afastamento cautelar do conselheiro, o Ministério Público ainda pede o encerramento das atividades no gabinete de Messias, enquanto ele estiver afastado, assim como a exoneração de seus servidores e a proibição do uso do carro oficial.

“Pedimos o afastamento cautelar por entendemos que um conselheiro, responsável por julgar contas públicas, não tem condições moral de continuar no cargo, fazendo julgamentos de gestores públicos. O fechamento do gabinete decorre do próprio afastamento. Uma vez afastado não há justificativa para que a estrutura que ampara as atividades dele continue em funcionamento”, afirmou Luciano Vieira.

O pedido de afastamento, segundo Luciano Vieira, pode ser apreciado antes mesmo da instalação do PAD. Todas as decisões serão deliberadas pelo plenário. O presidente do Tribunal de Contas, Carlos Ranna, afirmou que só vai se manifestar sobre o pedido do MP depois que analisar o requerimento.