Luciano Rezende critica administração do PT e diz que Vitória andou para trás

O deputado estadual Luciano Rezende (PPS) participou do programa Sabatina Vitória, transmitido ao vivo pela Rádio Vitória e Folha Vitória nesta quinta-feira (10). Durante a entrevista, o pré-candidato à sucessão do prefeito João Coser (PT) criticou a atual administração e declarou que a cidade retrocedeu nos últimos oito anos de gestão petista.

“Temos uma visão atestada em várias pesquisas que a Vitória andou para trás, principalmente no uso da transparência com os recursos públicos”, destacou Rezende. Ele afirmou que basta andar pela cidade e perguntar se as pessoas estão gostando da administração. “Isso acaba gerando uma crise de credibilidade”.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

O deputado afirmou ainda que a Capital passa por uma série de problemas que precisam ser enfrentados com mais firmeza. “O prefeito precisa assumir essa função”.

Entre os problemas destacados pelo pré-candidato estão a mobilidade urbana, violência e combate ao uso de tráfico de drogas.

Durante a entrevista, ele voltou a reafirmar sua candidatura em Vitória apesar das especulações que apontam uma possível entrada do ex-governador Paulo Hartung (PMDB) na disputa.

“Para não ficar envelhecendo decidi focar em fatos e não perder a energia com hipóteses. O Paulo Hartung em momento algum se declarou candidato. O mercado político diz isso, mas ele nunca afirmou. Para quê vou me antecipar, criar um problema que ainda não existe?”.

Rezende declarou também que não teme um possível isolamento político com a chance de uma eleição pulverizada entre os aliados do ex-governador Paulo Hartung. Atualmente, estão na briga os aliados do peemedebista o ex-deputado Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB) e o deputado federal Lelo Coimbra (PMDB).

“É uma caminhada dificílima, uma disputa dura e que precisa ser trabalhada todos os dias. Estou me preparando há vários anos. Esse não é um individual, é coletivo. É para isso que eleição é feita em dois turnos. Forças aliadas que são adversárias no primeiro podem se unir no segundo. Isso é bom para a população que tem uma eleição de alto nível”.