Justiça apura mentira em caso que cassou prefeito de Jaguaré

O Tribunal Regional Federal (TRF-2) acatou denúncia do Ministério Público Federal (MPF) para apurar a conduta de três testemunhas que teriam mentido em juízo e contribuído para a cassação do ex-prefeito de Jaguaré Evilázio Altoé (PSDB).

Segundo o documento, as três pessoas fizeram afirmações falsas em depoimento como testemunhas do atual prefeito, Sávio Martins (PMDB).

Foi o próprio Sávio quem acusou Evilázio de compra de votos nas eleições de 2008. Por esse motivo, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) cassou o tucano e marcou novas eleições em 2010.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

A assessoria do MPF informou que não há denúncia contra Sávio. O que, porém, não está descartado caso surjam elementos que comprovem que o atual prefeito tenha sido o mandante ou tinha conhecimento de que testemunhas foram orientadas a mentir.


A denúncia contra as testemunhas diz que, em avaliação inicial, elas foram instruídas a mentir mediante promessa de emprego. Após a eleição extemporânea, que levou Sávio à prefeitura, elas foram nomeados na administração municipal.

O advogado de Sávio no processo que levou à cassação de Evilázio, Edgar da Fonseca, foi citado pelas testemunhas como “professor” para ajudá-las como agir nos depoimentos.

Sobre a possibilidade de enfrentar denúncia do MPF, Sávio se disse tranquilo. “As testemunhas apenas comprovaram o que já estava documentado, com recibos, nos autos. Não tenho o que temer”.

A denúncia do MPF será incluída no recurso de Evilázio que ainda tramita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra sua cassação.