Jorge Donatti vai responder pela morte de líder sindical

O prefeito de Conceição da Barra, Jorge Duffles Andrade Donatti, responderá a processo pela morte do sindicalista e líder comunitário Edson José dos Santos Barcellos, ocorrido em 5 de junho de 2010. Na sessão desta quarta-feira (18), a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) recebeu a denúncia nº 100110041736, ajuizada pelo Ministério Público Estadual em desfavor do prefeito, acusado de homicídio qualificado.

Edson Barcellos foi sequestrado na porta de sua casa quando saia para trabalhar, às 6h30, e levado para uma plantação de eucalipto no próprio município. No local, o sindicalista teve os pés e as mãos amarradas, os olhos vendados e a boca amordaçada. Sem chances de defesa, a vítima foi morta com um tiro na testa.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Um dos acusados de ser o executor do crime, Diego Ribeiro Nascimento, em depoimento da Polícia Civil, confessou que foi contratado por intermédio de Oséias Oliveira da Costa para matar o sindicalista pela quantia de R$ 7 mil reais, “a mando de um peixe grande que chamava Jorge Donati”. O outro investigado pela autoria do crime é Rodolpho Nascimento do Amaral Ferreira.

Depois de matarem Edson, os dois executores seguiram até a cidade de Aracruz com o carro da vítima, “desovaram” o corpo em local ermo e atearam fogo no veículo, um Santana CL 1800I, placas GPP 7391, vermelho, ano 1995, objetivando dificultar as apurações criminais.

Dirigiram-se, então, até a cidade de Aracruz-ES, de posse do veículo e depois o desovaram em local ermo, situado nos arrabaldes dessa cidade, ateando fogo no veículo, uma Santana CL 1800 I, placas GPP 7391, cor vermelha, ano 1995, objetivando dificultar as apurações criminais. As armas utilizadas no crime, segundo a denúncia do MP, foram fornecidas por James Antônio de Almeida (revólver 22) e Rondinelli Ribeiro do Nascimento Amaral (revólver 38).

Por causa desse crime, o prefeito Jorge Donatti já esteve preso, preventivamente, duas vezes. Na segunda delas, depois da morte de uma das testemunhas, Mateus Ribeiro dos Santos, o Mateusão.

Os desembargadores componentes da 2ª Câmara Criminal acolheram, à unanimidade, o voto do desembargador-substituto Paulo Abiguinem Abib, que está em lugar da desembargadora Catharina Nova es Barcelos, licenciada.