Iriny: “Minha candidatura não é clandestina”

Apesar da movimentação de lideranças do PT que buscam inviabilizar o nome da petista Iriny Lopes em Vitória, a deputada federal garantiu ontem que se mantém na disputa e que sua pré-candidatura “nunca foi clandestina”.

“Nada foi tocado unilateralmente”, diz Iriny, lembrando que sua pré-candidatura foi “discutida” e “construída” dentro do PT. “Não vejo nada que poderia justificar essa preocupação com a minha pré-candidatura, que pudesse atrapalhar os companheiros. Em Vitória, é legítima minha candidatura. É estratégica para o partido”.

Desde março de 2011, quando ainda era ministra da presidente Dilma Rousseff (PT), Iriny constrói internamente sua candidatura. Em dezembro, o PT chegou a formalizar a pré-candidatura dela à sucessão do prefeito João

Coser.

O diretório municipal, sob o comando de Cacau Merçon, inclusive, se reuniu no último dia 21 de março. O objetivo era formalizar, no dia seguinte, o nome de Iriny. Mas houve um recuo e o encontro do dia 22 foi cancelado.

Dias depois, Coser fez parte de uma comitiva petista que se reuniu com o presidente nacional do PT, Rui Falcão, para expôr à executiva que o nome de Iriny estaria dificultando a construção de alianças em outras cidades. O encontro foi na última sexta-feira, em São Paulo. Falcão deve se reunir na próxima semana com Iriny.

Para Iriny, não houve “recuo” em lançar seu nome, mas sim uma “paralisia”, fruto de “movimentos outros, fora do partido, para fazer com que o quadro fique nebuloso e confuso”. Ela preferiu não comentar uma possível candidatura do ex-governador Paulo Hartung (PMDB).

Reação

“Minha pré-candidatura nunca foi clandestina. Nunca foi unilateral. Sempre foi conversada. Se teve mudança de posição, de opinião, não posso responder pelos outros. Tenho o apoio do diretório nacional do PT”

“Confio na base do PT. Não retiro minha pré-candidatura em Vitória, que é legítima. O partido tem regras para fazer o debate e a disputa. Estou tranquila”
Iriny Lopes,pré-candidata

to: Bernardo Coutinho / GZ
Anthony Garotinho partiu para o ataque ao governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, em seu blog na internet
Anthony Garotinho partiu para o ataque ao governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, em seu blog na internet

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Aliados confirmam Hartung na disputa

Caso se mantenha a temperatura política registrada durante todo o dia de ontem, é questão de tempo para que seja revelado oficialmente o “sim” do ex-governador Paulo Hartung (PMDB) para a disputa em Vitória. A expectativa de aliados é de que ele entre no páreo entre os dias 20 e 25 deste mês.

De acordo com lideranças com livre acesso ao escritório de Hartung, as conversas estão bastante adiantadas e só resta ao ex-governador reunir-se com outros atores interessados na disputa – como o deputado Luciano Rezende (PPS), o ex-deputado Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB) e o prefeito João Coser (PT) – para tentar acomodar os interesses de aliados no tabuleiro.

Nos bastidores, a informação é de que o peemebedista tem costurado sua pré-candidatura com o aval do governador Renato Casagrande (PSB). Segundo lideranças ouvidas por A GAZETA, “já existe o consenso” para o lançamento do nome de Hartung e ele teria sido aconselhado pela cúpula do Palácio Anchieta a “criar as condições para candidatura”.

Dentro do PMDB chegou a ser cogitada a hipótese de Hartung ter como vice alguém do mesmo partido, com chapa “puro-sangue”, mas a ideia foi descartada. (Eduardo Fachetti)

Interesses

Alianças
Lideranças do PT, PMDB, PSB, PDT e PR se movimentam tendo como prioridade construir alianças para as eleições de outubro. Os acordos de cúpula fazem parte da chamada geopolítica.

PT
Segundo informações de bastidores, a prioridade do PT seria garantir a reeleição de Carlos Casteglione (Cachoeiro) e Leonardo Deptulski (Colatina), e eleger Lúcia Dornellas em Cariacica.

Luciano e Luiz Paulo no páreo

Diante dos sinais cada vez mais fortes de que o ex-governador Paulo Hartung (PMDB) entrará na disputa pela Prefeitura de Vitória, os pré-candidatos Luciano Rezende (PPS) e Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB), que até poucas semanas pregavam a união do “bloco hartunguista”, sinalizam que não vão abrir mão da corrida eleitoral.

Deputado estadual, Luciano preferiu não comentar o assunto. Informações de bastidores dão conta de que ele irá a Brasília na próxima terça-feira para uma reunião com o presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire. A ideia é trazê-lo a Vitória para lançar o nome de Luciano.

Luiz Paulo também se esquivou. “Não falo sobre hipótese”. Ele reunirá aliados tucanos no dia 17 de maio.