Iriny é campeã de faltas da bancada capixaba na Câmara dos Deputados

As deputadas Iriny Lopes (PT), Sueli Vidigal (PDT) e Lauriete (PSC) foram as campeãs de faltas da bancada capixaba nas 75 sessões com votação da Câmara este ano. A petista, que fez campanha para a Prefeitura de Vitória, teve 26 ausências, sendo 23 justificadas – 14 por “atendimento a obrigação político-partidária”, oito para tratamento de saúde e uma para “missão autorizada” pela Casa.

Já Sueli, na maioria das vezes alegando compromissos políticos, registrou 19 ausências – todas justificadas, abono da Câmara que evita corte no salário de R$ 26,7 mil. A cantora Lauriete, por sua vez, somou 14 faltas justificadas – 12 como “licença para tratamento de saúde” e duas por agenda política.

A GAZETA fez o levantamento no site da Câmara, no intervalo de sessões ordinárias e extraordinárias entre sete de fevereiro e sete de novembro deste ano, sem contabilizar as presenças nas comissões da Casa. Como em anos anteriores, o deputado Manato (PDT) se destacou pela assiduidade. O pedetista não faltou a nenhuma sessão plenária com votação.

No levantamento, Lelo Coimbra (PMDB) fica no 4º lugar, com 13 ausências justificadas. Rose de Freitas (PMDB), em 5º, justificou 11 faltas, todas por “missão autorizada”. César Colnago (PSDB), Paulo Foletto (PSB) e Audifax Barcelos justificaram, respectivamente, 9, 8 e 5 ausências.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Jorge Silva não esteve em quatro sessões e só explicou ausência em duas – o que lhe custou corte de salário. Suplente da coligação de Iriny e Audifax, aos quais substituiu, Camilo Cola (PMDB) teve seis faltas, uma não justificada. “Atendimento a obrigação político-partidária” foi de longe a mais citada razão das faltas da bancada, seguida de licença para tratar a saúde.

Iriny atribuiu as ausências à campanha eleitoral. “Procuro ter o mínimo de faltas, mas este ano tive dificuldade por causa da campanha. Ainda assim procurei estar presente em todas as votações com repercussão no Estado e no país”.

Como seu marido Sérgio Vidigal (PDT) era candidato na Serra, Sueli atuou na campanha “nos bastidores. “Fui liberada pelo líder do PDT para ficar na eleição. Faltei no recesso branco e não houve prejuízo ao mandato. Tenho histórico de produção boa e participei das votações relevantes”. Lauriete, por assessoria, disse que está de atestado porque fez cirurgia da coluna, problema que motivou faltas anteriores.

Levantamento da “Folha” mostrou que, este ano, só 4% dos deputados estiveram presentes em todas as votações da Câmara. Embora a produção não se meça somente pela presença em plenário, é nele que se tomam as decisões mais importantes da Casa, mesmo com negociação prévia.

Aliás, há uma prática comum na Câmara e no Senado: parlamentares vão ao plenário marcar presença e saem para outras atividades. Voltam quando é pedida votação nominal ou recontagem de quórum.