Idoso acusado de matar a mulher

Uma mulher de 84 anos foi encontrada morta com três facadas no peito dentro da própria casa, na manhã de ontem, na localidade de Uberaba, interior de Iúna, na região do Caparaó Capixaba. A polícia acredita que o autor do crime seja o marido dela, de 90 anos, que foi preso e será encaminhado para uma clínica psiquiátrica.

O casal morava junto há 15 anos e estava há três naquela casa. O dono do imóvel, Alcino Silvério, 72 anos, foi quem encontrou o corpo da aposentada Luíza Joana Alves. Segundo ele, todas as manhãs José Luiz dos Santos e a mulher costumavam sentar no quintal.

“Quando eu cheguei já passava das seis horas e eles não estavam no banquinho. Estranhei que a porta estava aberta e chamei um rapaz para entrar lá. Nós chamamos da porta e ninguém respondeu. Quando eles entraram deram de cara com ela no chão”, afirmou.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Um dos filhos do primeiro casamento de Luíza e vizinhos acompanharam o trabalho da perícia durante a tarde de ontem. “Eu me sinto todo estraçalhado por dentro. Só Deus sabe o que eu estou sentindo. Eles não brigavam muito, viviam até bem, mas sei que ele tinha ciúmes dela”, contou Adair Agripino Alves, de 52 anos.

Segundo a Polícia Militar, o idoso foi preso em um matagal próximo. Os vizinhos disseram não ter ouvido qualquer discussão, mas estranharam quando viram José saindo de casa com um lampião. “Ele saiu de noitinha para o meio do cafezal. A gente achou que ele ia cuidar de alguma coisa. Nunca poderia imaginar uma coisa dessas”, disse uma vizinha que não quis se identificar.

O corpo da aposentada foi encaminhado para o Departamento Médico Legal de Cachoeiro de Itapemirim, e o idoso passou a tarde na delegacia de Iúna. De acordo com o delegado Alberto Roque Peres ele não apresentava coerência nos depoimentos. “Ele aparenta ter problemas psiquiátricos, mas a roupa dele estava suja de sangue. Um laudo médico nos orientou a encaminhá-lo para uma internação em uma clínica por não ter condições físicas de ficar encarcerado”, afirma.