Hospital de Minas Gerais suspeita de doença da vaca louca em paciente

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais acompanha o caso de um paciente internado no hospital particular Madre Teresa, em Belo Horizonte, que apresenta sintomas parecidos com os da versão humana da síndrome da vaca louca. O secretário Antônio Jorge de Souza disse que o governo ficou sabendo do caso na segunda-feira. O paciente, um homem de 63 anos, está internado desde janeiro.

“Por vir de um hospital particular, a informação chega com um certo atraso”, disse Souza. Segundo ele, assim que a secretaria foi informada sobre o caso, a Fundação Ezequiel Dias (Funed), entidade ligada ao governo de Minas, recolheu material para um diagnóstico. “Apesar de os sintomas serem parecidos com a versão humana da doença, ao que tudo indica é uma febre causada por outro tipo de príon. Mesmo assim, estamos bastante atentos. Acredito que possamos ter um resultado ainda nesta semana”, afirmou.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Príon é um agente infeccioso composto de proteínas anormais. Eles são responsáveis pelas encefalopatias espongiformes, entre elas a chamada síndrome da vaca louca, que podem ser transmitidas entre mamíferos. Quando o organismo é contaminado por esses príons, ocorre uma infecção generalizada do cérebro decorrente da multiplicação da infecção em outras partes do organismo. Em humanos, a doença recebe o nome de Doença de Creutzfeldt-Jakob (CJD). Não tem cura e é fatal.

O médico responsável pelo paciente, Rodrigo Santiago Gomez, divulgou uma nota na qual informa estar sob sua responsabilidade “um possível portador de doença priônica”. O médico informa ainda que “o diagnóstico não foi confirmado pelo estudo de anatomia patológica (biópsia cerebral), e que a “família solicita que a condição clínica e a identidade do paciente sejam preservadas”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.