Homem morre com suspeita de coma alcoólico em Mantenópolis

alcool-estraga-o-cerebroPor volta das 5:20 hs desta quarta-feira, 13/05, a policia Militar de Mantenópolis, recebeu informações pelo 190 de que havia um cidadão caído na rua São Geraldo em frente à mercearia do Ailton Marreco, e que segundo a PM a pessoa informou que tinha ligado para o pronto atendimento e não havia ambulância disponível no momento e então solicitou apoio da policia Militar.

A PM deslocou-se imediatamente para o local, e após constatado o fato, verificou que se tratava de Sr. Gilmar Batista da Silva de 36 anos, sendo que este se encontrava deitado no chão com sinais vitais, porém desmaiado.

De imediato a PM fez o socorro da vitima até o PA de Mantenópolis, onde foi recebida pelo médico plantonista, que horas depois viria anunciar o falecimento  do Sr. Gilmar.

Após o exporto, foi lavrada a acorrência, sendo na sequência o fato  encaminhado à autoridade competente para providencias cabíveis.

Quando a pessoa bebe rapidamente a bebida é absorvida rapidamente pela parte digestiva, o que aumenta a concentração etílica no sangue.

“Não há tempo do organismo metabolizar aquele álcool e transformá-lo em gás carbônico (que sai do corpo pela respiração) e água (que sai pela urina)”, explica.

Por causa disso, uma área do cérebro afetada pelo efeito tóxico do álcool pode desligar funções vitais, como a que controla a respiração e o coração. Como consequência, o pulmão e os batimentos cardíacos podem parar de funcionar.

Tontura e vômito
Outra possibilidade é a pessoa sofrer uma queda de pressão ou tontura, o que pode provocar vômito. “Se ela aspirar esse vômito, ele entra nos pulmões, que ficam encharcados de álcool, e causa uma parada respiratória – que afeta diretamente os batimentos cardíacos”.

“Se ela sobreviver a um episódio assim, pode ter consequências posteriores. O suco gástrico que entrou no pulmão tem efeito tóxico nas vias respiratórias e provoca lesões graves”.

A ingestão de álcool deve ser intercalada com alimentos e água. “Esse quadro de competição não dá tempo da pessoa se hidratar. Por isso, é melhor não fazer”.

Se a pessoa suar frio, ficar tonta e chegar a perder a consciência, deve ser levada imediatamente a um pronto-socorro para receber glicose na veia.

A ingestão excessiva e descontrolada de álcool tem afetado diretamente a vida de familiares mantenopolitanos, levando a óbito prematuramente a vida de seus entes queridos por ocasião do vício maldito, que praticamente em 100% dos casos, culmina em morte ou lesões severas na saúde que perduram por anos. Geralmente a maioria acometida por tal dependência alcoólica não admite a condição de dependente, ou aceita medidas tais como internamento em centros de reabilitação clínica e psicológica.

As disposições gerais do regulamento da lei nr 8.918, de 14/07/94, capítulo I, seção IV apregoam o seguinte:

Art. 53.  Cachaça é a denominação típica e exclusiva da aguardente de cana produzida no Brasil, com graduação alcoólica de trinta e oito a quarenta e oito por cento em volume, a vinte graus Celsius, obtida pela destilação do mosto fermentado do caldo de cana-de-açúcar com características sensoriais peculiares, podendo ser adicionada de açúcares até seis gramas por litro.

§ 1o  A cachaça que contiver açúcares em quantidade superior a seis gramas por litro e inferior a trinta gramas por litro será denominada de cachaça adoçada.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou recentemente (12/05/14) oRelatório Global sobre Álcool e Saúde, que traz informações sobre o consumo de álcool no mundo e avalia os avanços realizados nas políticas do álcool desde a publicação das Estratégias Globais para Redução do Uso Nocivo do Álcool, em 2010. Seguem abaixo as principais informações deste documento, com destaque especial para o Brasil.

Consumo per capita

O álcool é consumido praticamente em todo o mundo. Globalmente, estima-se que indivíduos com idade de 15 anos ou mais consumiram em torno de 6,2 litros de álcool puro em 2010 (equivalente a cerca de 13,5g por dia).
No Brasil, o consumo total estimado é equivalente a 8,7L por pessoa, quantidade superior à média mundial. Estima-se que homens consumam 13,6L por ano, e as mulheres, 4,2L por ano. Quando são considerados apenas os indivíduos que consomem álcool, esta média sobe para 15,1L de álcool puro por pessoa (sendo mulheres: 8,9L e homens: 19,6L).

Consequências do uso do álcool

O uso nocivo do álcool é um dos fatores de risco de maior impacto para a morbidade, mortalidade e incapacidades em todo o mundo, e parece estar relacionado a 3,3 milhões de mortes a cada ano. Desta forma, quase 6% de todas as mortes em todo o mundo são atribuídas total ou parcialmente ao álcool. No gráfico abaixo, é possível verificar as principais doenças e prejuízos associados ao álcool em diferentes níveis:

No Brasil, o álcool esteve associado a 63% e 60% dos índices de cirrose hepática e a 18% e 5% dos acidentes de trânsito entre homens e mulheres em 2012. Especificamente em relação aos transtornos relacionados ao uso do álcool, estima-se que 5,6% (mulheres: 3%; homens: 8%) dos brasileiros preenchem critérios para abuso ou dependência.

As consequências do uso de álcool também oneram a sociedade, de forma direta e indireta, potencializando os custos em hospitais e outros dispositivos do sistema de saúde, sistema judiciário, previdenciário, perda de produtividade do trabalho, absenteísmo, desemprego, entre outros. Ainda, em todo o mundo, nota-se que as faixas etárias mais jovens (20-49 anos) são as principais afetadas em relação a mortes associadas ao uso do álcool, traduzindo como uma maior perda de pessoas economicamente ativas.

CLIQUE PARA OUVIR.