Homem, agricultor, com no máximo 59 anos. Este é o perfil da maioria dos eleitos no Espírito Santo

Eles têm entre 45 anos e 59 anos e a maioria é homem (88,31%). As profissões dominantes são prefeito, agricultor e empresário. É o perfil dos 77 novos chefes dos Executivos municipais que vão assumir em 1° de janeiro. O agricultor José Alcure (PP), de Ibatiba, é o mais experiente deles, com 76 anos. No outro extremo, a advogada Emanuela Pedrosa (PDT), de Alto Rio Novo e com 29 anos, ocupa o segundo lugar entre os prefeitos mais jovens.

Apesar da diferença de 47 anos que separam Alcure e Emanuela, os dois têm em comum a vontade de trabalhar e o desejo de unir suas cidades, que saíram divididas das urnas. Ex-prefeito de Ibatiba, na Região do Caparaó, Alcure obteve 143 votos a mais que o segundo colocado, Simião Dias (PDT). Será a quarta vez que Alcure vai ocupar a prefeitura – ele também foi o primeiro prefeito da cidade, em 1983.

“Vou unir a cidade mostrando trabalho”, diz Alcure, que não esconde a preocupação com o cenário de queda de receita. Só com o fim do Fundo de Desenvolvimento das Atividades Portuárias (Fundap), Ibatiba deve perder R$ 3 milhões no ano que vem. Valor significativo comparado ao orçamento previsto para 2013: R$ 41 milhões.

“Tenho experiência de vida, administrativa e muita vontade de trabalhar. Vamos juntar todas as forças, principalmente, neste cenário de queda de receitas.” Ele já está em busca do apoio do governador Renato Casagrande (PSB) e tem se reunido com secretários estaduais para conseguir investimentos para a cidade.

Sobre o fato de ter informado à Justiça Eleitoral, no quesito grau de instrução, que só “lê e escreve”, Alcure lembra que antigamente “não tinha escola pública”. “Meu pai arrumou um professor particular. Mas já fui prefeito três vezes. Isso não atrapalhar a administrar”. A Saúde, Educação e agricultura serão as prioridades da gestão.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Questionado sobre que conselho daria para os prefeitos mais jovens, respondeu: “As pessoas mais novas têm que ter compromisso e boa vontade. E isso é até para trabalhar na roça. Tem que gostar do serviço. Isso vale para os prefeitos mais novos também”.

Mulher no poder

Em seu primeiro mandato como vereadora de Alto Rio Novo, na Região Centro-Oeste do Estado, a advogada Emanuela derrotou o atual prefeito Edson Benfica (PSD) por apenas 99 votos de diferença e será a primeira mulher a comandar o município.

Ela era a vice na chapa de Aldo Soares (PSDB), o Didi, que teve a candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral. Faltando 22 dias para a eleição, virou candidata a prefeita. “Fui eleita com a expectativa da mudança, da renovação na política. Vou administrar para a coletividade e tenho disposição de sobra para trabalhar”, diz ela, que tem no currículo uma pós-graduação em Gestão Pública Municipal.

Por não conseguir informações sobre a atual gestão, que barrou o trabalho da equipe de transição, Emanuela já acionou o Ministério Público. Ela está preocupada com o gasto com a folha de pagamento dos servidores. “Em abril, balancete do quadrimestre da prefeitura enviado à Câmara, mostrava gasto de 72% das receitas do município com pessoal”. A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) limita em até 54% o gasto com pessoal.

Assim que assumir, Emanuela já definiu a primeira ação: “Vou fazer uma auditoria em todos os contratos. Vou organizar a prefeitura, que está uma bagunça. Há total descontrole administrativo. Minha gestão será transparente”. Ela também terá como foco a Saúde, Educação e agricultura.

Na segunda colocação entre os prefeitos eleitos e mais experientes está Paulo Lemos (PMDB), de Alegre, com 75 anos, e que tem ensino superior. Já a enfermeira Amanda Quinta (PTB), com 23 anos, será a prefeita mais jovem do Estado. Ela vai comandar Presidente Kennedy e substituiu a candidatura do tio Reginaldo Quinta (PTB) dias antes da eleição. Reginaldo foi afastado da prefeitura acusado de comandar esquema de fraudes na cidade.

Dos 17 reeleitos, 16 informaram ter como ocupação o cargo de prefeito. O balanço não inclui Guarapari, que terá nova eleição para prefeito até março.