Família de mergulhador desaparecido há duas semanas ainda espera encontrá-lo vivo

A família de Arnaldo da Costa Schuwanbach, de 24 anos, ainda mantém as esperanças de encontrar o mergulhador vivo, duas semanas após o desaparecimento em alto mar a 20 km da costa de Vila Velha. Ele sumiu após sair para praticar o esporte com um amigo no dia 05 de abril e desde então tem mobilizado os parentes.

A esposa de Arnaldo, Talya Schuwanbach, afirma que todos estão na expectativa de encontrá-lo vivo. “Não encotramos nada ainda está tudo no mesmo, infelizmente ou felizmente. Hoje são 14 dias e a gente viu tanta gente que ficou desaparecida por um mês ou mais e depois voltou. Até porque a gente não encontrou corpo, então continua a esperança. O que eu posso pedir agora é muita oração”, disse.

Corpo encontrado

No dia 18 de abril, a família descartou a possibilidade de um corpo que foi encontrado em Niterói, no Rio de Janeiro, ser do mergulhador. Segundo uma amiga da família, Helena Severnini, o que ajudou a diferenciar as vítimas foram as tatuagens. “O corpo encontrado tem apenas uma tatuagem. O Arnaldo tinha um dos braços todo tatuado”, comentou.

Na ocasião, a vítima encontrada no Rio pelo Corpo de Bombeiros estava em estado de decomposição.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Desaparecimento

Arnaldo desapareceu no último dia 5 de abril após sair com o amigo, Vinícius Barbosa, de 21 anos, para mergulhar a aproximadamente 20 km da orla de Vila Velha. A lancha onde eles estavam apresentou defeito e o piloto voltou para a costa, abandonando os rapazes em alto mar.

Buscas

Após o desaparecimento, a Capitânia dos Portos do Espírito Santo realizou várias buscas com helicópteros e lanchas por todo o litoral do Estado.

As buscas da Capitania foram suspensas no último dia 08, após 72 horas do desaparecimento de Arnaldo. Durante as ações, foram empregadas mais de 20 embarcações e três aeronaves. As buscas por Arnaldo Campos Schuwambach, segundo a Capitania, foram intensificadas nas áreas mais próximas à costa de Vila Velha e contaram com o apoio de embarcações da Petrobras, da Vale, da Praticagem, do Corpo de Bombeiros, de familiares e amigos da vítima e de aeronaves da Polícia Militar e da Marinha do Brasil.

Buscas feitas pela família

Mesmo depois de as buscas da Capitânia dos Portos do Espírito Santo terem sido encerradas, a família do mergulhador continuou o trabalho com aeronaves e lanchas alugadas.

As buscas pelo mergulhador no litoral do Espírito Santo foram encerradas na última segunda-feira (16), mas de acordo com a família, a procura com lanchas ainda iria continuar pelo litoral do Rio de Janeiro. De acordo com a família, todas as autoridades marítimas ainda continuam com os alertas entre as suas embarcações.