Exame revela que gêmeas siamesas do ES também estão unidas pelo crânio

Uma notícia deixou preocupada a gestante Luzinete Cruz do Amaral, de 35 anos, moradora da Serra. Ela está grávida das gêmeas siamesas Isadora e Isabely. O último exame, realizado no dia 30 de abril, revelou que as bebês, além de ligadas pelo tórax e coluna cervical, estão unidas também pelo crânio.

Segundo o pai das crianças, o pedreiro Walter de Jesus Oliveira, a possibilidade de cirurgia ainda não é debatida pelos médicos. “Na realidade a ressonância revelou o crânio também está unido e deu uma hérnia fragmática no intestino delas. É uma fusão do intestino. Pelos exames não há possibilidade de cirurgia ainda, mas os médicos falaram que é muito cedo para dizer alguma coisa. querem esperar nascer primeiro”, disse.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

O pedreiro afirma que a maior preocupação da família é com a condição financeira. “O mais difícil é o financeiro por causa dos exames. A gente não tem carro, nossa despesa aumentou, o gasto de táxi e tudo isso é novo. Não tem como controlar o pagamento mais. Temos que fazer uma ultrassom toda semana e cada uma custa R$ 50,00 e eu não tenho esse dinheiro”, afirmou Walter de Jesus oliveira.

No quarto mês de gestação, os pais descobriram durante uma consulta que os bebês estão unidos pelo tórax, abdômen e têm apenas um coração. A merendeira Luzinete Cruz do Amaral engravidou pela quarta vez e foi surpreendida quando realizou a segunda ultrassonografia. “Na hora que ele me deu a notícia, eu desmaiei. Não tive nem palavras”, comentou ela.

A gravidez de siameses é considerada rara pelos médicos. No caso de Luzinete, os exames mostram que os bebês estão unidos pelo tórax e abdômen e têm apenas um coração. Os pais não sabem como será a criação das crianças e preferem não comentar a hipótese de perder um deles.

Luzinete é mãe de três meninas. O caçula, que tinha seis meses, morreu em um acidente de carro. “Eu fiquei pensando se não perdi meu filho por amá-lo tanto. Foi muito difícil e eu fiquei três meses sem entrar em casa porque não consegui”, acrescentou.

Exame de graça

O médico Carlos Caldeira conseguiu de graça um exame de Ressonância Magnética Fetal para ajudar Luzinete. O procedimento não era oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e custaria cerca de R$ 1,4 mil para a família, que teria grandes dificuldades para pagar.