Deputados recuam e sepultam ‘puxadinhos’ da Assembleia Legislativa

A possibilidade de repercussão negativa com a liberação para abertura de gabinetes externos, os chamados ‘puxadinhos’ da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), fez os deputados recuarem frente a proposta. Uma resolução que tramitava no Legislativo permitia a abertura desses gabinetes, caso fosse aprovada em comissões e em votação no Plenário.

Essa resolução foi retirada de pauta por decisão unânime do colégio de líderes e a Mesa Diretora, segundo o presidente da Ales, deputado Rodrigo Chamoun (PSB). Os parlamentares justificaram a decisão como uma ‘sintonia com os anseios da sociedade’. “Os líderes fizeram reflexões nos últimos dias e ouviram a opinião pública e em conexão com a opinião pública resolveram pela retirada da proposta da pauta. Apesar de haver um plenário bastante dividido até um dia antes dessa decisão”, declarou Chamoun.

A definição do colégio de líderes, junto com o presidente, membros da Mesa Diretora e outros deputados, ocorreu no início da tarde desta terça-feira (27), após reunião de duas horas na Presidência da Ales. O líder do PT, deputado Cláudio Vereza, afirma que não foi difícil chegar a um acordo. “Não foi difícil chegar a um consenso. A decisão foi amadurecida desde ontem (segunda). Hoje de forma antenada com a sociedade nós decidimos apoiar a Mesa Diretora na intenção de retirar a matéria de pauta”, disse.

Líder de bancada do mesmo partido do presidente do Legislativo, e com base eleitoral em São Mateus no Norte do Estado, o deputado Freitas (PSB) afirma que é favorável à abertura dos gabinetes fora da Ales, especificamente para o interior do Estado, mas diz votou pela harmonia entre os parlamentares.
“O gabinete externo para o deputado do interior é legítimo. É uma ferramente a mais de trabalho. Eu não me senti contrariado com essa decisão. Em hipótese nenhuma, mas acho que precisamos de ter a maturidade de colocar os pensamentos da gente, e em um tempo oportuno avançar. Se tinha necessidade neste momento, em função do consenso e da harmonia parlamentar não há problema em dar um passo para trás agora, para posteriormente, quem sabe, dar dois ou três passos para frente”, disse.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Eleições municipais

A resolução previa o deslocamento de alguns dos 18 assessores de gabinete, sem novas contratações, para os endereços externos e metade da verba de gabinete (R$ 7,8 mil) disponível para custeio nos ‘puxadinhos’ instalados nas bases eleitorais.

Atualmente a proposta estava na Procuradoria da Ales onde seria publicado parecer, antes de haver três discussões especiais em Plenário, tramitação nas Comissões de Justiça e Finanças e retorno ao Plenário para votação. Os parlamentares negaram que o recuo esteja ligado a interesses políticos, como as eleições municipais de 2012.

“Não acredito que essa decisão tenha sofrido qualquer influência da disputa eleitoral do ano que vem. Acho que esse é um resultado ligado ao movimento da sociedade”, afirmou o 1º secretário da Mesa Diretora, Roberto Carlos (PT).

“Nada disso influenciou a decisão da Mesa Diretora e nós votamos junto com ela para a retirada da proposta da pauta. Na minha visão não haveria problema nenhum existir esses gabinetes externos. Afinal, se existe uma verba dentro do orçamento não há o que contestar”, garante o líder do PR, deputado Gilsinho Lopes.

Imagem arranhada

O deputado Theodorico Ferraço (DEM) afirmou que o gabinete externo seria, na realidade, o ‘gabinete da enganação’ e explica porque chegou a essa conclusão de que a criação dos gabinetes arranharia a imagem do Legislativo.

“Arranha porque acabaria sendo um gabinete de enganação. Isso porque o deputado não poderia ficar permanentemente no gabinete, pois passando a ser um gabinete oficial o parlamentar precisaria dar presença. Ele daria presença para gente procurando por dinheiro, por recursos, favores pessoais e coisas que não são atribuições de um deputado estadual. O mandato do deputado deve ser em favor do Espírito Santo”, afirmou Theodorico.

A ‘resolução dos puxadinhos’ estava incluída na Reforma Administrativa da Ales, desde o final de 2010, após os trabalhos de integrantes de uma comissão designada pelos membros da Mesa Diretora, presidida, na época, pelo deputado Elcio Alvares (DEM).