Depressão pós-férias é mau sinal para a carreira

O tempo nem importa muito. Podem ter sido 30, 15, 10 ou até mesmo sete dias de férias. Mas a tristeza da volta ao trabalho está sempre presente. O último final de semana de folga, a última noite, os segundos finais com a perna para o ar. Se cada minuto mais perto da volta ao trabalho representa dor e sofrimento, cuidado. É possível estar sofrendo de depressão pós-férias.

Psicólogos, médicos e especialistas em carreira concordam. Esse mal existe e pode ser evitado. Mas quanto a um ponto específico não é possível fazer nada. O primeiro sinal da depressão pós-férias é a insatisfação com o trabalho. Nesse caso, o remédio é trocar de emprego.

Especialista em felicidade, desenvolvimento humano e psicóloga, Angelita Scárdua diz que a depressão pós-férias é resultado de uma série de fatores. A quebra do ritmo de vida, muito mais leve e tranquilo durante o recesso, é um deles. “Você acaba se envolvendo em atividades de ócio, de prazer, que não exigem muito esforço ou responsabilidades. E quando a pessoa tem de voltar a rotina diária é natural alguma dificuldade. Os horários, os prazos, tudo volta a valer”, explica.

Angelita esclarece que essa dificuldade de adaptação é acentuada quando existe algum tipo de insatisfação com o emprego. “Grande parte das pessoas não estão satisfeitas com o trabalho. Seja por fatores financeiros ou pelo ambiente. A partir desse ponto, muitos ficam 15, 30 dias longe de um lugar onde não queriam estar. Convivem só com quem gostam, fazem o que querem. Mas, no final tem de voltar para aquele lugar ruim. Deixar esse conforto é difícil e pode gerar a depressão pós-férias, onde a insatisfação da pessoa fica muito mais forte e evidente”, detalha.

Glauber Cabral diz que olhar o e-mail de vez em quando não faz mal
Glauber Cabral diz que olhar o e-mail de vez em quando não faz mal

Sem rupturas bruscas

O consultor de recursos humanos Glauber Cabral defende que não faz mal olhar o e-mail do trabalho de vez em quando. “Quando ficamos muito distantes do emprego é comum se sentir mal na volta. Aconselho a entrar no site da empresa, fazer contato com os colegas de vez em quando e, assim que voltar, procurar se inteirar do que aconteceu”, recomenda.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Cabral compara o trabalhador que volta das férias ao aluno que falta uma grande quantidade de aulas. “Quando volta, não sabe o que aconteceu, as regras de avaliação mudaram, novos trabalhos surgiram e ele diz que não soube de nada. Por isso é importante se informar. O problema é que muitos passam por grandes tensões e estresse e, quando tiram férias, querem esquecer de tudo. Não é por ai”, explica.

Na opinião do consultor, as pessoas devem aproveitar os dias sem trabalho para conhecer novas pessoas, viajar e se deliciar com outras culturas, além de descansar, claro.

O clínico geral Cristiano Cesana concorda. Para ele, a ruptura brusca de estilos de vida é o que ocasiona a depressão pós-férias. “Logo após o descanso voltam as cobranças, os horários e as obrigações. Nesse quadro as pessoas começam a apresentar melancolia, cansaço e em casos mais graves a depressão”, analisa.

Para o médico, é possível evitar esse mal de forma bem simples. “Toda situação de mudança gera estresse, ansiedade. Para fugir desses sintomas recomendo que as pessoas organizem bem o trabalho antes de entrar de férias. Deixe tudo programado e planejado para que os colegas o possam ajudar a não encontrar tarefas acumuladas na volta. Além disso, também é recomendável durante o recesso se desligar totalmente do emprego. Desde que, nos últimos dias, a rotina comece a ser adotada de forma moderada”, diz.

Entre as recomendações para não colocar em choque o descanso e o dever, Cesana recomenda acordar em horários parecidos com o do trabalho, fazer atividades físicas e pegar o ritmo com o tempo. “Jogador que volta de lesão não começa jogando com tudo. Eles vão melhorando devagar. No nosso trabalho também é assim, as primeiras semanas são mais difíceis mas com o tempo tudo vai se ajeitando”, avalia o médico.

De longe, a visão é mais clara

A psicóloga Angelita Scárdua esclarece que a depressão pós-férias é mais evidente quando o ambiente muda um pouco. “Quando estamos trabalhando tudo fica automático, não é possível perceber bem o que está acontecendo. Para evitar esse sentimento é necessário ter claro em mente que as férias são só um intervalo e que isso não vai resolver a nossa vida. Se a insatisfação for mesmo muito grande é preciso mudar de emprego, trocar de ares”, aconselha.

Uma pesquisa divulgada pelo International Stress Management Association (Isma) em 2011 mostra que a depressão pós-férias é comum em cerca de 23% dos brasileiros. O trabalho foi além e verificou que em 93% dos casos, os principais motivos são: falta de motivação no trabalho seguido de falta de perspectiva, ambiente inseguro e conflitos de relacionamentos.