Delegado classifica desaparecimento da jovem Amanda Correia como um dos mais difíceis que já enfrentou

“Esta é sem dúvidas uma das investigações mais difíceis que já enfrentamos aqui na cidade”. Foi com esta frase que o chefe da Delegacia de Castelo, Robson Vieira, definiu o desaparecimento da estudante Amanda Gomes, de 16 anos, ocorrido no dia 11 de agosto.

Quase um mês após o sumiço da jovem, a polícia continua com os trabalhos de busca, mas o desencontro de informações, inclusive trotes, atrapalham a investigação, como explicou o titular da delegacia.

“Por ser uma cidade pequena, os moradores daqui e também da região ligam e passam informações, mas alguns ainda passam trotes que mudam momentaneamente a trajetória das apurações. Para se ter uma ideia, 15 pessoas já ligaram e disseram que a menina teria sido encontrada morta. Obviamente isso não procede, e nos atrapalha. Apesar disso, continuamos a todo vapor e estamos empenhados”, disse.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

O esforço dos policiais alimenta as esperanças da família de encontrar a jovem com vida. Aos poucos e ainda muito abalados, os pais da menina tentam voltar à rotina e contam com o apoio dos parentes e amigos. Maria Regina, mãe de Amanda, voltou a trabalhar como doméstica em casa de família, enquanto o marido José Carlos, retomou o trabalho de pedreiro.

Destaque nacional

Nesta terça-feira (04) o caso de Amanda foi divulgado no encerramento da novela global “Amor Eterno Amor”. A divulgação deu novas esperanças aos familiares, como explicou Jerusa Eugênio da Silva, tia da garota desaparecida. “É sempre bom quando aparece ajuda e agora todo o país está ciente do desaparecimento dela. Esperamos que isso nos auxilie ou que ao menos traga alguma informação concreta, pois está sendo muito difícil para eles [os pais] e também para toda a família”, desabafou.

Ela salientou que os familiares estão recebendo apoio dos policiais envolvidos no caso. “A cidade inteira está vendo o esforço que eles estão fazendo para encontrá-la. Quando precisamos somos recebidos pelo delegado e também pelos agentes, que nos relatam o andamento das investigações. Sabemos que é difícil, mas acreditamos no trabalho deles”, garantiu.

Você tem alguma informação que pode ajudar esta família?
Ligue para  (28) 3542-5047, (28) 9938-2660 e (27) 3137-9065