Consumidores e empresários capixabas já começam a sentir os impactos da alta do dólar

Desde o início de setembro os brasileiros convivem com situação de instabilidade do dólar. Após uma sequência de quedas durante o ano, a moeda registrou uma forte alta em período curto. Com isso, existem as consequências negativas e positivas, principalmente para as empresas importadoras e exportadoras de produtos no Espírito Santo.

De acordo com o economista sócio-diretor da empresa Valor Investimentos, Paulo Henrique Corrêa, essa inconstância da moeda se deve à insegurança do mercado internacional. “Acho que é questão da volatilidade dos mercados internacionais e a desconfiança dos investidores em relação aos locais mais desenvolvidos, como Estados Unidos e Europa. Existe a incerteza dos investidores nacionais e isso causa a saída do dólar no Brasil, o que gera aumento”, disse.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Paulo Henrique Corrêa revelou que para as empresas exportadoras a situação é benéfica, mas os importadores vão sofrer caso a situação continue. “Para as empresas, do ponto de vista do importador o produto fica mais caro, porque vem de fora e precisar gastar mais. Já para os exportadores, como as grandes empresas de minério e granito é muito positivo porque a competitividade fica melhor. Isso é benéfico, já que vão receber mais reais pelas vendas feitas e lá fora o produto chega com um preço mais competitivo”, afirmou o economista.

Em relação aos consumidores capixabas, o aumento do dólar não é bom. A tendência é que os produtos importados fiquem mais caros nas prateleiras de shoppings, supermercados e no comércio do Espírito Santo. Além disso, a compra de pacotes de viagens fica prejudicada, já que a maioria deles é vendido com base no preço da moeda americana.

O economista Paulo Henrique Corrêa afirma que o impacto do aumento nos produtos só deve ocorrer caso a alta continue gradativa. “Para quem faz as compras isso acaba tendo uma pressão no preço daqui a dois ou três meses caso esse aumento continue. O bom é que o produto nacional fica um pouco mais competitivo e mais atraente por causa do aumento no custo dos produtos importados”, falou.