Casos suspeitos de febre amarela no Estado deixam Saúde em alerta

A Secretaria estadual de Saúde (Sesa) foi notificada sobre dois casos de suspeita de febre amarela no Espírito Santo. São os primeiros registros de que se tem notícia no Estado, desde que começou o surto da doença em cidades do leste de Minas Gerais – algumas fazem limite com municípios capixabas.

A secretaria não detalhou as notificações recebidas e destacou que os casos ainda serão investigados. O diagnóstico definitivo pode indicar outras doenças com sintomas semelhantes.

Um dos casos suspeitos é de Conceição do Castelo, na Região Serrana do Estado. Por suspeitar estar diante de um caso de febre amarela, a secretaria municipal de saúde notificou a Sesa e o médico pediu a transferência do paciente, um homem de 45 anos, para algum hospital da Grande Vitória.

Ele foi internado na última quinta-feira com sintomas compatíveis aos da febre amarela no Hospital Nossa Senhora da Penha, no município. O paciente vive na zona rural de Conceição do Castelo, na localidade de Mata Fria.

“Foi encontrado um macaco morto na região em que ele mora e o médico plantonista optou por acionar a Sesa sobre a suspeita e pedir a transferência, para que tenha mais recursos hospitalares”, informou a secretária municipal de Saúde, Sandra Lupim.

O pedido de transferência foi feito na noite de sábado. De acordo com a Sesa, o paciente seria transferido para o Hospital Evangélico, em Vila Velha. Até o fechamento da reportagem, o homem permanecia em Conceição do Castelo.

O outro caso suspeito da doença no Estado seria o de uma mulher de São Roque do Canaã, que mora em um distrito do interior onde também foram encontrados macacos mortos. A Sesa confirma a notificação, mas não detalhou de onde a paciente é.

Letalidade

Coordenador do Núcleo de Doenças Infecciosas da Ufes, Reynaldo Dietze destaca que a taxa de letalidade da febre amarela é de 20%. A da dengue, 1%. Por isso, aos primeiros sintomas, é necessário buscar atendimento médico. O especialista destaca, também, que é fundamental mapear o deslocamento dos pacientes com casos suspeitos nos 15 dias anteriores aos sintomas. A doença é comum na região amazônica. Nas áreas urbanas, não. “Se o paciente contrair a doença sem que tenha ido a regiões de incidência, é preocupante. Significa que ali perto há transmissão”.

Vacinas a partir de hoje em 23 cidades

O Estado começa a receber hoje 350 mil doses de vacinas contra a febre amarela. As doses servirão para vacinar moradores de 23 municípios que fazem limite com Minas Gerais.

“Vamos vacinar por precaução”, diz a médica infectologista Martina Zanotti, responsável pelo programa de imunização da Secretaria estadual de Saúde (Sesa).

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

A médica explicou que o ideal era que os turistas mineiros que estão no Espírito Santo estivessem vacinados contra febre amarela, da mesma forma que capixabas que pretendem ir para áreas de incidência em Minas Gerais.

“Se o mineiro que está no Estado procurar um posto de vacinação, vai receber a vacina. Quem vai para Minas Gerais, tambem”, disse a médica. Além das doses que serão recebidas, as unidades de saúde têm doses da vacina para a demanda diária.

Martina disse também que é fundamental que a localização de macacos mortos seja comunicada aos municípios. Além da vacinação, a população pode se prevenir da febre amarela e de outras doenças evitando a picada do mosquito, com repelentes ou outros recursos.

Macacos doentes serão avaliadosMacaco foi encontrado morto por moradores

O município de Conceição do Castelo recebeu relatos de nove mortes de macacos. A maioria estava em estado de decomposição avançada e apenas um pode ser recolhido. O animal está congelado em laboratório da Vigilância Ambiental da cidade e será entregue à Secretaria estadual de Saúde hoje. A morte dos primatas pode indicar a existência do vírus da febre amarela, mas outras doenças não estão descartadas.

O técnico da Vigilância Ambiental de Conceição do Castelo, Fernando Guilherme de Lima, explicou que hoje pela manhã um veterinário vai retirar do animal morto alguns órgãos, como cérebro, rins e fígado. Essas partes serão periciadas para que se saiba se a causa da morte do macaco foi febre amarela ou, por exemplo, raiva.

O Estado tem enviado os materiais para serem analisados no Instituto Evandro Chagas, no Pará. Os primeiros resultados devem ser divulgados nas primeiras semanas de fevereiro.

Onde haverá vacina e os cuidados necessários

Cidades que começam a receber vacina hoje

Água Doce do Norte

Alto Rio Novo

Baixo Guandu

Barra de São Francisco

Brejetuba

Divino São Lourenço

Dores do Rio Preto

Guaçuí

Ibatiba

Ibitirama

Irupi

Iúna

Laranja da Terra

Mantenópolis

Montanha

Mucurici

Pancas

Afonso Cláudio

Ecoporanga

Colatina

Itaguaçu

Governador Lindenberg

Conceição do Castelo

Contraindicações para tomar a vacina

Crianças menores de 6 meses de idade.

Pacientes com imunodepressão de qualquer natureza.

Pacientes infectados pelo HIV com imunossupressão grave.

Pacientes em tratamento com drogas imunossupressoras (corticosteróides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores).

Pacientes submetidos a transplante de órgãos.

Pacientes com imunodeficiência primária.

Pacientes com neoplasia.

Indivíduos com história de reação alérgica relacionada a substâncias presentes na vacina (ovo de galinha e seus derivados, gelatina bovina ou outras).

Gestantes. A administração deve ser analisada caso a caso na vigência de surtos.

Sintomas

A febre amarela tem sintomas parecidos aos de doenças como dengue e malária: febre alta, vômito, dor no corpo e olhos amarelados. Fonte: Secretaria de Estado da Saúde