BASTIDORES DA CORRUPÇÃO EM PANCAS: DENÚNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO

O Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES) divulgou no dia 09 de fevereiro, que pediu à Justiça o bloqueio dos bens e a perda do mandato do prefeito de Pancas, Luiz Pedro Schumacher (DEM), e dos vereadores Otniel Carlos de Oliveira (PP), Juarez Mendonça Júnior (PSDB), Fernando Antônio Oliosi (PDT) e Rachel Zucchetto (PMN).Também foram citados o médico Sidiclei Giles de Andrade e o advogado Daniel Waldemar de Oliveira e também foram citadas na ação, duas empresárias e uma empresa de contabilidade.Se condenados, o prefeito Luiz Schumacher e os envolvidos pela MP-ES, em duas AçõesCivis Pública terão de devolver o total de R$ 298.524,00 e poderão ter de pagar multas conforme a pena aplicada a cada um.A ação proposta pela Promotoria de Justiça de Pancas inclui os quatros vereadores citados acima, por suposta compra de votos na eleição da atual Mesa Diretora da Câmara.Neste caso o prefeito Luiz Schumacher, os vereadores, Otniel Oliveira, Fernando Oliosi e Juarez Mendonça, foram à casa do ex-prefeito Walter Haese (PMDB). Segundo consta na ação do MP-ES, os vereadores Otniel, Fernando e Juarez Mendonça, disseram que precisavam de mais um voto para que a chapa 02 (da qual faziam parte) vencesse as eleições, e pediram para que Walter Haese “influenciasse”, o vereador Juarez Giles (PMDB) a votar naquela chapa, tendo em vista a amizade entre ambos, que são do mesmo partido. Em troca, ofereceram a Walter a Secretaria e a Subcretaria de saúde para o PMDB, partido que Walter faz parte, afirmando que a filha de Walter, de nome Scheila Haese, poderia assumir a subsecretaria de Saúde. Ofereceram, ainda, uma quantia em dinheiro, que não foi especificada, mas que ficaria a cargo de Walter Haese e do vereador Juarez Giles especificarem tal valor, diz os fatos da ação do Minisitério Público.Ao se retirarem da residência do ex-prefeito Walter Haese, o prefeito Luiz Schumacher, despediu-se, afirmando o seguinte: “vai dar certo esse negócio”, afirmou ainda que “garantia a sua parte”, referindo-se à proposta já oferecida pelos vereadores a Walter Haese.O vereador Juarez Giles, além de ter sido assediado indiretamente através de Walter Haese, foi assediado também de forma direta, já que recebeu uma ligação de Otniel Carlos de Oliveira que lhe disse que teria vantagens caso apoiasse a chapa 02. Juarez Giles ainda foi convidado pelo prefeito Schumacher para ir até a sua casa, quando naquele local o requerido manifestou intenção de que Juarez Giles ficasse ao seu lado nas eleições da Chapa 02, do vereador Otniel Oliveira, chapa esta apoiada, obviamente, pelo prefeito e requerido.Para ficar claro, o ex-prefeito Walter Haese não aceitou nenhuma propina e nem cargos para ajudar a eleger a chapa 02, que tinha o Otniel como candidato a presidente da Câmara Municipal, no biênio 2011/2012.Procurado pela reportagem o vereador Otniel Oliveira se defendeu. “O Ministério Público mente ao nomear uma subsecretaria de Saúde que não existe”, se defendeu o vereador Otniel Oliveira. O vereador disse ainda que não sabe se o juiz irá acatar a denúncia e que se defenderá ao ser notificado. O vereador Fernando Oliosi foi procurado mais seu celular estava desligado durante todo o dia.O vereador Juarez Mendonça também foi procurado, mais seu telefone chamava e ninguém atendeu, durante todo o dia.A vereadora Rachel Zucchetto, estava com seu celular desligado.Na segunda ação, o MP-ES pede a suspensão de contratos administrativos da Prefeitura de Pancas com a empresa Ramalhete Contabilidade e Consultoria Ltda., além de suspender pagamentos de serviços contábeis da empresa. Nesta, também foi pedida a indisponibilidade dos bens, inclusive de contas bancárias, do prefeito Luiz Schumacher, da empresa Ramalhete Cavalcanti e Maria Angélica Macedo Ramalhete. O MP esclarece que a medida visa “garantir o ressarcimento dos prejuízos causados ao patrimônio público”. O valor desta causa é de R$ 273.524,00.Sobre o envolvimento da vereadora Rachel Zucchetto, a vereadora foi até a residência do vereador Iracy Pinheiro (DEM), e lhe ofereceu a quantia de R$ 50.000,00 para que votasse na chapa de Otniel. Diante da recusa de Iracy, Rachel Zucchetto lhe perguntou quanto valia o voto do mesmo, oferecendo-lhe uma quantia de R$ 200.000,00 e diante da nova recusa do vereador Iracy Pinheiro, Rachel ameaçou de morte, bem como a seus familiares, diz a denúncia do Ministério Público.Estiveram ainda na casa do vereador Iracy Pinheiro, o prefeito Luiz Schumacher, o vereador Fernando Oliosi e o advogado Daniel Waldemar de Oliveira, quando todos lhe ofereceram a secretaria municipal de Agricultura e perguntaram quanto em dinheiro Iracyqueria para votar na chapa 02 do vereador Otniel Oliveira.Também foi assediado o vereador Adelcio Coffler (PT), que foi procurado pelo prefeito Luiz Schumacher, o qual pediu para que Adelcio apoiasse nas eleições a chapa do vereador Otniel Oliveira. O prefeito ofereceu a Adelcio Coffler, uma secretaria, um emprego para o filho, e a quantia de R$ 50.000,00.Na ação ainda consta à denúncia do médico Sidiclei Giles de Andrade, o doutor Sidiclei. Na denúncia consta que o vereador Adelcio Coffler estava num casamento no Distrito de Vila Verde, quando foi abordado pelo doutor Sidiclei, o qual lhe disse que caso ficasse do lado do prefeito Schumacher nas eleições, receberia a quantida de R$ 25.000,00 e após as eleições, caso votasse em Otniel, ele receberia a quantia de R$ 25.000,00, totalizando R$ 50.000,00.A conversa entre doutor Sidiclei Giles e Adelcio teve inicio em Vila Verde, sendo que, após, doutor Sidiclei dirigiu à residência de Adelcio Coffler, quando lá também chegou o prefeito Luiz Schumacher, que tentou novamente convencer Adelcio a lhe apoiar, oferecendo obras na região onde Adelcio reside.Naquele mesmo dia, doutor Sidiclei se dirigiu novamente à casa de Adelcio, quando lhe questinou se o “negócio”, estaria “de pé”, tendo Adelcio afirmado que apoiaria a chapa do atual presidente da Câmara, vereador Marcos Mataveli (PPS).Doutor Sidiclei, lhe ofereceu novamente R$ 25.000,00 antes e R$ 25.000,00 depois das eleições.Segundo consta, neste dia, antes de se retirar da residência do vereador Adelcio, doutor Sidiclei, deixou dentro do carro do vereador, sem autorização deste a quantia de R$ 25.000,00, quantia esta que foi entregue a Justiça desta Comarca, quando, aberto o envelope onde se encontrava o dinheiro, foi confirmado que lá havia cinco maços de dinheiro totalizando a quantia de R$ 25.000,00. Ainda na denúncia da Promotoria de Justiça de Pancas, o valor oferecido e entregue, não pode ter outra origem, senão a ilícita, provavelmente advindos de contratos administrativos ilegais e superfaturados.O prefeito Luiz Pedro Schumacher simplesmente afirmou que tudo não passa de uma jogada política e que um grupo quer a todo custo assumir o poder em Pancas.Todas as informações desta matéria estão contidas na denúncia do Ministério Público feito à Justiça e que podem ser acessadas no site: WWW.mpes.gov.brFonte: MPES.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

fonte-www.omestrepanco.blogspot.com/