Aneurisma pode acontecer em qualquer parte do corpo, alerta cirurgião vascular

Casos de aneurisma cerebral são conhecidos por boa parte da população, mas o que poucos sabem é que essa dilatação do vaso sanguíneo também pode atingir o abdome, principalmente, de homens acima de 60 anos. Sem apresentar sintomas, a pessoa corre o risco de morrer em minutos, caso não seja atendida rapidamente. Esse é o alerta do cirurgião vascular Wanderley de Paula.

O médico explica que o aneurisma pode acontecer em qualquer parte do corpo. “Ele não tem uma característica própria, a pessoa não sente que está tendo um aneurisma no abdome, normalmente ele é um achado. O paciente vai fazer algum exame e o médico o encontra”.

Um relato comum, segundo o especialista, são os pacientes chegarem ao consultório dizendo que têm um coração na barriga. “Eles falam isso sobre o aneurisma na aorta abdominal, porque ela pulsa de acordo com o coração”.

A aorta é a maior artéria do corpo e quando acontece o aneurisma no abdome, essa artéria dilata e forma uma espécie de ‘bola’. O risco à saúde e que, com o passar do tempo, ela pode romper. “Se o rompimento acontecer dentro do centro cirúrgico, a chance de o paciente morrer é de 70%. Fora da cirurgia, a chance de óbito é de 100%. A pessoa morre em minutos, porque o sangue se espalha pelo abdome, e o paciente sem o sangue nos vasos, morre”, diz o médico.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Para detectar o aneurisma, o exame clínico é a principal maneira. “Em seguida, médico deve examinar o paciente apalpando a barriga dele e os pulsos arteriais. Depois disso, é feito um eco-doppler do abdome. Por fim, é realizado um exame mais sofisticado, a tomografia”, explica.

De acordo com o cirurgião, existem duas formas de tratar. “Na tradicional fazemos uma incisão no abdome e colocamos uma prótese no aneurisma. É uma forma muito traumática, que ainda é usada em larga escala. E tem a forma endovascular, que é feita uma incisão pela virilha e colocamos dentro da aorta um stent, que chamamos de endoprótese”,afirma.

A segunda opção de tratamento é menos traumática e de recuperação mais rápida. “O problema é que é um tratamento muito caro, mas os planos de saúde e o Sistema Único de Saúde cobrem esse tratamento”.

Frequência

Esse tipo de aneurisma ocorre em 10% da população acima de 60 anos. Por isso, ele precisa ser procurado. A pessoa não busca o médico por causa dele. É uma doença assintomática, quando chega a dar sintoma a situação está crítica. Tem que ser tratada com urgência, ela pode romper a qualquer momento.

Prevenção

Controlar a pressão arterial, evitar o tabagismo e praticar atividade física são medidas de prevenção.

Diferença entre os aneurismas

A diferença básica é a localização, pois a formação deles é a mesma. É um enfraquecimento da parede que, pela pressão do sangue, acaba dilatando. A diferença é que o aneurisma na cabeça, geralmente, dá um sintoma prévio. Outra diferença é quem trata: o aneurisma cerebral é o neurocirurgião, não o cirurgião vascular.

Idade

O paciente idoso tem mais aneurisma no abdome e o jovem na cabeça. O enfraquecimento da artéria, a hipertensão arterial, o tabagismo e o colesterol são fatores que agem no corpo com o passar dos anos, favorecendo a dilatação dos vasos sanguíneos.