“Água levou um ônibus, duas kombis escolares e um trator agrícola com carroceria e tudo em São João do Manteninha”, diz prefeito

resize_newsO município de São João do Manteninha ficou com várias ruas submersas devido às chuvas que caíram na região esta semana. O ribeirão Manteninha, que corta a cidade, subiu rapidamente na última quarta-feira, pegando alguns moradores de surpresa. A correnteza foi tão forte, que chegou a carregar alguns veículos que estavam estacionados no almoxarifado da prefeitura.

 

Por telefone, o prefeito Paulo Roberto Rodrigues (PMN) afirmou que será necessário pelo menos R$ 5 milhões para consertar os estragos na cidade. “Nunca havíamos visto isso aqui em São João do Manteninha. Tem uma senhora aqui, de 92 anos, que disse que é a primeira vez que acontece uma catástrofe dessa magnitude no município. Tivemos ruas calçadas que foram levadas pela enxurrada. Até o asfalto de algumas partes foi embora. O muro do almoxarifado da prefeitura, que fica perto do ribeirão, foi derrubado. A água levou um ônibus, duas kombis escolares e um trator agrícola com carroceria e tudo. Os prejuízos são imensos”, disse.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

 

Segundo Rodrigues, os moradores dos distritos também foram afetados. “Entrou água em todas as casas de um bairro de São João, o Orlando Viana, e na zona rural cinco pontes de concreto foram danificadas. O muro de um cemitério também caiu. A chuva foi tão forte, que deixou até alguns túmulos abertos. O acesso a alguns distritos está interditado. Não tem como chegar lá. Por isso, decretamos estado de emergência. A situação está caótica. Tive que contratar, emergencialmente, mais pessoas para trabalhar na limpeza para evitar que outra chuva venha e pegue os bueiros entupidos”, disse, ressaltando, que o mais importante é que ninguém morreu na cidade com a tragédia. “Isso é o mais importante. O calçamento a gente substitui, mas a vida de um cidadão, não. Graças a Deus ninguém se feriu nem perdeu a vida. Algumas pessoas ficaram desalojadas, mas já lhes providenciamos lares”, concluiu.