Adolescente se gaba no Facebook e faz pai perder indenização de US$ 80 mil

2o3mbi994y_2e0r3c0ty9_fileQuando Dana Snay soube que seu pai tinha ganhado na Justiça o direito a uma indenização de seu antigo emprego, ela não conseguiu resistir em compartilhar a notícia.

A Gulliver Preparatory School, uma escola com sede em Miami, nos Estados Unidos, foi condenada a pagar cerca de R$ 179 mil (US$ 80 mil) em um processo sobre discriminação por idade.

“Mamãe e papai ganharam o processo contra Gulliver”, a adolescente escreveu para seus 1.200 amigos no Facebook. “Gulliver está pagando agora oficialmente as minhas férias para a Europa neste verão. CHUPA ESSA”.

O comentário, no entanto, agora pode custar a indenização do pai da garota, informou o jornal Miami Herald.

Continua depois da Publicidade

Powered by WP Bannerize

Quando Gulliver ficou sabendo do post, o que não demorou muito, já que Dana era uma ex-aluna, a escola recusou-se a pagar um centavo porque o pai tinha assinado um acordo de confidencialidade. Na quarta-feira (16), um tribunal de apelações da Flórida decidiu em favor da escola.

A história provocou repercussão sobre os padrões de comportamento da juventude de hoje e os perigos das mídias sociais.

Geração do milênio

Elie Mystal, no blog Acima da lei, chama o episódio de “uma nova baixa para a geração do milênio”.

“Lembra quando tudo o que os pais tinham que se preocupar era com sua filha postando selfies nua no Facebook?”, ele escreve.

— Agora, as coisas são piores.

Katy Waldman, do site de notícias Slate, mandou uma mensagem para seus seguidores:

“O que podemos aprender com a desgraça dessa família, companheiros da geração do milênio? Não se gabe. Não mexa com advogados. Não compartilhe em excesso nas mídias sociais, especialmente quando você nem está indo para Europa [Dana estava brincando sobre as férias]”.

A história não está necessariamente concluída. O pai pode recorrer da decisão no Supremo Tribunal da Flórida. É claro que, quanto mais o processo se arrasta, mais o dinheiro da indenização — se houver — será consumido por advogados.