3,5 toneladas de maconha é a maior apreensão já feita no Espírito Santo

20150812064925__1__min_cbacb-138835Foi apreendida 3,5 toneladas de maconha feita na madrugada desta quarta-feira (12), na região Civit, na Serra. A droga estava mascarada em sacos de trigo, com dizeres em espanhol, de uma marca do Paraguai, que indica que a procedência da droga é do país fronteiriço. Até hoje, esta é a maior apreensão de drogas feita no Espírito Santo. A droga abasteceria o tráfico na região metropolitana de Vitória.
Ao todo seis pessoas foram detidas, três carros foram apreendidos e uma pistola de calibre 380 carregada e munição também foram encontrados. Incialmente, os carros, que são dois caminhões – um maior e outro menor – e um carro de passeio, não têm nenhuma restrição de irregularidades. A intervenção faz parte das operações de enfrentamento ao tráfico de drogas e armas da Polícia Militar do Espírito Santo (PM-ES). O que levou os policiais até o principal traficante foi uma denúncia anônima, feita ao serviço de inteligência da PM.
Segundo o coronel Nunes, da Rotam, isto demonstra a importância da colaboração da população com as autoridades competentes. A denúncia feita à polícia, dava conta que Leandro Matarrino, morador de São Pedro, em Vitória, que já possui duas passagens pela polícia pela prática criminosa do tráfico de drogas, estaria envolvido com novos esquemas.
Após o monitoramento feito pelos policiais militares, o Secretário Estadual de Segurança (Sesp), André Garcia, destacou que durante as investigações o acusado fazia, constantemente, um percurso que ia de seu bairro até a região Civit, na Serra. Na madrugada desta quarta-feira (12), Leandro, quando foi buscar a droga, foi pego em flagrante ao sair com um caminhão-baú e uma caminhonete, considerado pela polícia, do centro de distribuição da droga. Ele e mais cinco suspeitos de estarem envolvidos no esquema foram presos.
De acordo com Garcia, a maconha já estava sendo fatiada e separada de acordo com cada pedido. A droga seria comercializada na região metropolitana da Capital. No momento em que foram detidos, apesar de um dos suspeitos estar armado, não houve reação dos criminosos.
Todos os seis foram encaminhados para o Departamento da Polícia Federal (DPF), em Vila Velha, e, nesta manhã de quarta-feira (12), foi feito o lavramento do auto de flagrante, com o depoimento dos acusados. Agora, quem dará continuidade às investigações será a Polícia Federal, por se tratar de um caso de tráfico internacional.
Fronteira fraca
“Essa apreensão é apenas uma amostra do que entra no país”, garante Garcia, da Sesp, que completa dizendo que o comércio de armas ilegal também está no mesmo ritmo.
André Garcia diz que o grande problema é a falta de agentes federais. “Eles são capacitados, porém, em número reduzido, podem não dar conta da demanda”, justificando a necessidade de contratações. De acordo com o secretário, isso faz com que grandes volumes de droga e outros tipos de tráfico passem despercebidamente por grandes extensões de rodovias federais, o que não deveria acontecer.
“A droga provavelmente atravessou a fronteira, pelo indícios que se têm acerca da procedência do trigo, e, até chegar no Estado, teve que percorrer uma grande extensão de rodovias federais, passando por vários postos da PF”, complementa Garcia.