“Doação” de terreno em Colatina pode derrubar presidente do Bandes


O presidente do Bandes, Guerino Balestrassi, ex-prefeito de Colatina, está na corda bamba. De acordo com alguns deputados federais, a situação dele é insustentável e seu nome deve entrar na pequena reforma do secretariado prevista para depois do Carnaval. Balestrassi se envolveu numa negociata promovida pelo prefeito de Colatina, Leonardo Deptulski (PT), ex-vice de Balestrasi e eleito prefeito por ele, através da Condec (Conselho de Desenvolvimento).
Todo ano antes do Natal este conselho doa terrenos para promover o desenvolvimento da cidade e de alguns “pobres” empresários.
Desta vez, no entanto, uma das empresas beneficiadas foi a Art Metal Estruturas Metálicas, do ex-prefeito Balestrassi, presidente do Banco de Desenvolvimento do Estado.
Só o fato de presidir o Bandes já seria motivo para Guerrino se afastar do comando da Art Metal. Aliado do ex-governador Paulo Hartung, ele ocupou o mesmo posto no governo anterior. Foi mantido no Bandes a pedido de Hartung, mas se tornou um risco para a imagem do governo Casagrande. Neste caso, o crime não se concretizou porque o próprio Palácio informado da ação entre amigos cobrou explicações.
Guerino acabou abrindo mão do terreno que iria receber, e da isenção tributária.
O que significa dizer que se nada tivesse vazado, a doação teria sido feita, como ocorreu em anos anteriores. Para o deputado federal Paulo Foletto (PSB), adversário assumido de Guerino e provável concorrente de Deptulsk na eleição deste ano, tratou-se claramente de uma Ação entre amigos.
Ele defende a apuração pelos órgãos municipais e estaduais: Foi à apropriação de um bem público. E para quem não precisa. Entraram com o pedido dia 26, acrescentou. A idéia de fazer a edição do ato na última semana do ano visava justamente evitar a publicidade. E a isenção de impostos por 10 anos.